terça-feira, 25 de abril de 2017

Dona Liberdade



Levo balas cravadas no peito e cravos nas mãos. Trago canções nos lábios. Um quase nada fora de tom. Ninguém nota. E por ninguém notar sou livre. Livre nesta vontade de mostrar apenas os cravos e esconder as penas que, feito balas, continuam a avançar, devagarinho, na direção do meu coração.
Não quero tê-lo. O coração. Tenho o direito de não ter coração. E o direito de dizer que não o quero. E o direito de obrigar os outros a ouvirem-me. Roubando-lhes a liberdade de não ouvir. Mas não importa. Sou livre. Livre de não querer sentir. Livre de fechar os olhos à vida, que é feita de armas, e de os abrir para a ilusão, que é feita de cravos.
Deito-me sobre a cama desfeita pelas mãos de um soldado chamado Acaso. Ele tomou a liberdade de fazer a cama onde me deito sem me deixar escolher os lençóis ou a colcha. Temperou-me a noite com um colchão de espinhos e disse que era livre, livre de ter um sono tranquilo. Obrigada, liberdade, vou dormir então. Nesses lençóis de fel, nessa colcha de agrura, nesse colchão de espinhos. E há-de ser um sono suave. Cheio de sonhos tranquilos e de lágrimas contidas no riso tépido.
Levo balas cravadas no peito e cravos nas mãos. Ofereço as balas e vendo as flores. Ninguém quer o que é dado. Pagam-me os pés de flor. E deixam cada vez mais a nu a ferida do meu peito. As pessoas olham para a ferida. Mas não a vêem. Vêem as nódoas do avental perfurado. E é disso que falam, à medida que levam as flores. Aceno-lhes. Tenho a liberdade de acenar. E dizem que é sorte. Podia não ter mãos. Ou braços. Mas tenho. E aceno. Livre.
Já sem flores, fico só com as balas. E vou pelos caminhos ladrilhados das pedras às quais não perguntaram se queriam ser pisadas. Mas elas são livres. Livres de não terem um padrão definido na calçada. Como nós. Pelo caminho, vejo os mundos do mundo. Os sacos carregados de quem livremente se deixa deambular por entre montras ricas. Os potes vazios de quem livremente dorme sob as estrelas.
Os artistas tocam. Têm talento. E alguma fome. E a liberdade de cantar canções polémicas nos cantos das ruas, com o saco da guitarra aberta e meia dúzia de trocos para comprar um pão algures, no fim do dia.
Limpo as mãos ao avental, tentando retirar a camada de ironia que se amontoa nesta minha completa liberdade, que agradeço, por medo de que julguem que me inclino para os extremos da vida. Livre, mas não tanto, suponho eu. Só um bocadinho. Se calhar nem um bocadinho. Mas digamos que sim. Vamos fingir que sim. Senão…



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet



Sigam também o meu instagram, aqui.   



terça-feira, 18 de abril de 2017

Quando não merecer



Abraça-me quando eu for inconveniente. No meio das frases impensadas que te fazem perguntar qual a razão pela qual, no meio de tantas pessoas, me escolheste a mim. Abraça-me. Quando eu for intolerante. No centro dos gritos de descontrolo e das palavras de injustiça que te ferem a alma. Essa que é invisível e infinitamente grande. Abraça-me. Quando eu for impossível. No centro dos gestos descuidados de acusação. De violência. De ódio. De destruição. Abraça-me.
Beija-me quando eu for destrutiva. Por entre os traços cortantes da dor infligida que te faz questionar qual a razão do teu coração preferir a dor da minha presença ao desconforto pacato da solidão. Beija-me. Quando eu for egoísta. Quando, podendo pôr-nos à frente da batalha da vida, optar por me proteger nos recantos do meu silêncio, negando-te o acesso ao labirinto de mim. Beija-me. Quando te afastar, preferindo a companhia dos enganos e das mentiras que se assumem como verdades universais nos espaços brancos da minha imaturidade. Quando os meus lábios secarem de amargura, no centro das palavras que apenas trazem o azedume do ódio pela vida. Beija-me.
Deseja-me. Quando o meu corpo se afastar do teu, à procura do conforto da distância. Quando eu for amante da solidão e irmã da morte. Quando eu ceder ao cansaço e não te quiser. Deseja-me. Quando te recuso e nego; e te faço sentir rejeitado na ânsia de pertencer apenas aos meus anseios. Deseja-me.
Ama-me. Quando o pior de mim se anunciar à porta do olhar. Quando a minha acidez te fizer duvidar de mim e os espaços entre nós parecerem norma. Ama-me. Quando a minha loucura te gritar aos ouvidos que me abandones. Quando a minha alma nevoenta te indicar que deves deixar-me junto ao abismo do qual me salvaste. Quando a lógica te disser que me odeies. Ama-me. Quando não houver motivo. Quando não houver em mim nada para amar. Ama-me. Quando eu te der provas de que não mereço o teu amor. Amam-me. Sem razão. Sem motivo.
Ama-me. Assim. Quando não houver sentido no amor. Quando eu não merecer. O amor não precisa de razões… e eu preciso de ti. Todos os dias. Sempre. Sempre mais quando não mereço.
Abraça-me. Beija-me. Deseja-me. Ama-me.
Transforma a raiva em sorriso. Transforma a dor em esperança. Sê a luz na escuridão de mim.
Por favor. Sempre. Para sempre. Mesmo quando não merecer. Abraça-me. Beija-me. Deseja-me.
Ama-me.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet



Sigam também o meu instagram, aqui.   



terça-feira, 11 de abril de 2017

Conta-me os teus segredos




Conta-me os teus segredos.
Pedes. Em tom de ternura. E eu recuso sempre. Sempre. Porque me recordo dos segredos demasiado bem. Vejo-os expressos nas linhas do meu rosto como cicatrizes de mágoa, sobre os locais onde tinha passado antes de chegar até ti, com força suficiente para te ouvir pedir.
Conta-me os teus segredos.
Fico a olhar para as mãos. Tenho uma coleção de desgostos. Vou fazendo recortes e colando, um a um, cada momento de miséria na minha caderneta de sonhos. Acumulo-os. Mas não os digo. Não falo sobre eles. Ignoro-os. Faço de conta que não estão lá, sentados à nossa mesa, a olhar para nós com sorrisos lascivos, à espera da resposta, cada vez que me pedes.
Conta-me os teus segredos.
Reclamo dentro de mim a escuridão dos recantos inundados pelas lágrimas que chorei. Houve nascentes nos olhos que me desaguaram na alma. E fizeram mares que não secam. Nem mesmo perante o sol. Não secam e não aquecem. Talvez pela dimensão, talvez pela agrura. E mergulho nessas águas de gelo para descobrir que há um medo acutilante e presente, sempre que a tua voz se ergue. Sempre que ela o diz.
Conta-me os teus segredos.
Passado. Como uma agulha que se enlaça, fazendo nós em vez de pontos e querendo que o pano fique leve. E eu tento cortar, um a um, esses nós. Desfazer-me das memórias. Deixá-las pousadas num canto qualquer, onde ninguém vá e ninguém saiba. Mas as recordações são nós que se prendem ao tecido da minha pele e que enquistam no silêncio, cada vez que me pedes.
Conta-me os teus segredos.
Olho-te. Amo-te. Sou eu. Eu e os meus segredos que não digo. Não me roubes os meus segredos! Não me roubes de mim! Sou tudo o que tenho e não valho nada. Não me roubes com pedidos como esse.
Conta-me os teus segredos.
Aqui está um. Tenho medo. De contar. Os meus segredos. Depois vais embora e não vai haver ninguém para o dizer. Para o pedir.
Conta-me os teus segredos.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet



Sigam também o meu instagram, aqui.   

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Guia de sobrevivência



Nota: Designa-se por Monstro todo o indivíduo que, de forma voluntária ou por influência de factores biológicos, anímicos ou externos ao mesmo, seja incapaz de se adaptar e/ou integrar na norma social e serve o presente guia para determinar as normas inerentes à conduta do mesmo. A correcta utilização deste guia, bem como a aplicação prática das suas propostas comportamentais poderá ser uma mais-valia no sentido de minorar o dano provocado pela diferença intrínseca do Monstro, ajudando-o a camuflar-se no seu meio social, simplificando, desta forma, a vivência das pessoas e reduzindo o risco de isolamento e segregação do indivíduo desviante.

1. Aceitação - Primeiramente, por forma a permitir a convivência com as pessoas do mundo, o Monstro deve aceitar a sua condição inferior e, assumir, na sequência desta aceitação, uma conduta de subalternidade. O Monstro deverá, portanto, ser o primeiro a ceder, levando, muitas vezes, a maior parte do trabalho e distribuindo o crédito do mesmo pelas pessoas com as quais, em dado momento, faz parceria. Embora o trabalho do Monstro possa ser (e muitas vezes seja) de qualidade igual ou superior ao de terceiros, este não deverá esperar igual reconhecimento ou recompensa. A qualidade do trabalho apresentado deverá constituir, por si só, motivo suficiente para ânimo e incentivo, sendo raro, por parte de uma pessoa, a valorização de trabalhos realizados por aqueles que constituem a minoria. Tratando-se de um ser socialmente estranho e marginal, o Monstro não deverá, em situação alguma, enfatizar os pontos nos quais se destaca, sob o risco de destacar também, durante esse ímpeto de vaidade, a diferença manifesta que o separa dos outros e de contribuir, portanto, para a sua própria segregação.

2. Cognoscência e opinião - O Monstro reserva-se o direito de pensar o que quiser, contando que o faça em silêncio. Os seus pensamentos devem ser recatados. Especialmente quando expressam opiniões divergentes e concretas, devem ser domados, confinados e mantidos nos recantos seguros das suas entranhas, onde não podem ferir susceptibilidades. A referência, ainda que velada, dos pensamentos que cria poderá originar fortes cesuras por parte das gentes circundantes uma vez que, frequentemente, as pessoas comunicam sob um conjunto reduzido e formatado de códigos lacónicos, lugares comuns e clichés sociais, nos quais opiniões concretas, dissidentes e reveladoras de qualquer tipo de personalidade não padronizada se excluem. Os pensamentos do Monstro deverão, portanto, ser dissimulados, por forma a criar um espaço de integração social para o mesmo.

3. Diagnóstico e dissimulação - O Monstro deve encarar a sua condição, reconhecendo a sua diferença intrínseca como sintoma crónico de uma doença cuja cura se encontra, ainda, em fase de desenvolvimento. Não podendo recorrer ao sistema de saúde para, através dele, obter uma qualquer vacina milagrosa, deverá ingerir, através dos meios tradicionais - revistas, jornais, televisão, rádio e Internet - modelos que o ajudem a compreender a norma e a imitá-la. A utilização frequente destes meios poderá ser um incentivo à integração social do Monstro, uma vez que revela frequentemente as prioridades sociais e reduz em grande medida o pensamento crítico. Ao conhecer melhor a fracção reduzida de opiniões e temáticas sob debate, o Monstro poderá construir um conjunto de respostas-base que servirão nas suas conversas quotidianas, afastando-o da mal-afamada honestidade o que caracteriza. Os meios referidos poderão ainda exercer um forte papel no sentido de orientar o Monstro no que respeita ao seu posicionamento político e religioso, ajudando-o a integrar as comunidades maioritárias e a criar, desta forma, um sentido de pertença. É ainda de salientar que, embora alguns livros sejam também um bom meio de aprendizagem e tratamento, estes se tratam de instrumentos mais perigosos do que os media tradicionais, uma vez que, por vezes, os seus autores se integram, também, na categoria "Monstro", inscrevendo nas suas obras ideias inovadoras e/ou críticas que, pelo risco de criarem inteligência, conhecimento e/ou estruturas desafiadoras da manutenção dos padrões, são fortemente desaconselhadas.

4. Direitos e deveres - Tratando-se o Monstro de um ser desviante, este deverá compreender que a sua vivência será também modelada segundo um conjunto diferente de direitos e deveres. Aos deveres que comummente se atribuem às pessoas, o Monstro soma um conjunto de outras. Essas "outras", orientadas para o fingimento e a adaptação criarão ou não, as estruturas necessárias para que o Monstro seja também detentor de algum tipo de direitos. Os direitos do Monstro serão, portanto, proporcionais à sua capacidade de camuflagem social e ao grau de diferença que mantém.

5. Essência ou isolamento - O Monstro deverá compreender que, seguindo os passos do guia, poderá, com facilidade, esbater a diferença que o separa das pessoas. No entanto, sendo essencialmente e como a própria identificação refere, um Monstro, é provável que o individuo desviante sinta uma profunda necessidade de se manter igual a si mesmo, enfrentando a sua própria identidade no sentido de a sustentar. No caso de total incapacidade de camuflar a sua real personalidade, o Monstro deverá, portanto, remeter-se à sua insignificância e criar um canto de isolamento. Esse canto, muitas vezes designado como "o seu mundinho" ou "um planeta aparte" será o seu espaço seguro e o único no qual poderá sentir-se integrado mas, ocasionalmente, o Monstro poderá também optar por agarrar no papel e, como eu, fazer dele confidente, apenas para relembrar ao mundo exterior e cheio de personalidades uniformes e vazias que, embora ele seja um Monstro, são as pessoas que são ridículas.


Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet



Sigam também o meu instagram, aqui.