terça-feira, 18 de abril de 2017

Quando não merecer



Abraça-me quando eu for inconveniente. No meio das frases impensadas que te fazem perguntar qual a razão pela qual, no meio de tantas pessoas, me escolheste a mim. Abraça-me. Quando eu for intolerante. No centro dos gritos de descontrolo e das palavras de injustiça que te ferem a alma. Essa que é invisível e infinitamente grande. Abraça-me. Quando eu for impossível. No centro dos gestos descuidados de acusação. De violência. De ódio. De destruição. Abraça-me.
Beija-me quando eu for destrutiva. Por entre os traços cortantes da dor infligida que te faz questionar qual a razão do teu coração preferir a dor da minha presença ao desconforto pacato da solidão. Beija-me. Quando eu for egoísta. Quando, podendo pôr-nos à frente da batalha da vida, optar por me proteger nos recantos do meu silêncio, negando-te o acesso ao labirinto de mim. Beija-me. Quando te afastar, preferindo a companhia dos enganos e das mentiras que se assumem como verdades universais nos espaços brancos da minha imaturidade. Quando os meus lábios secarem de amargura, no centro das palavras que apenas trazem o azedume do ódio pela vida. Beija-me.
Deseja-me. Quando o meu corpo se afastar do teu, à procura do conforto da distância. Quando eu for amante da solidão e irmã da morte. Quando eu ceder ao cansaço e não te quiser. Deseja-me. Quando te recuso e nego; e te faço sentir rejeitado na ânsia de pertencer apenas aos meus anseios. Deseja-me.
Ama-me. Quando o pior de mim se anunciar à porta do olhar. Quando a minha acidez te fizer duvidar de mim e os espaços entre nós parecerem norma. Ama-me. Quando a minha loucura te gritar aos ouvidos que me abandones. Quando a minha alma nevoenta te indicar que deves deixar-me junto ao abismo do qual me salvaste. Quando a lógica te disser que me odeies. Ama-me. Quando não houver motivo. Quando não houver em mim nada para amar. Ama-me. Quando eu te der provas de que não mereço o teu amor. Amam-me. Sem razão. Sem motivo.
Ama-me. Assim. Quando não houver sentido no amor. Quando eu não merecer. O amor não precisa de razões… e eu preciso de ti. Todos os dias. Sempre. Sempre mais quando não mereço.
Abraça-me. Beija-me. Deseja-me. Ama-me.
Transforma a raiva em sorriso. Transforma a dor em esperança. Sê a luz na escuridão de mim.
Por favor. Sempre. Para sempre. Mesmo quando não merecer. Abraça-me. Beija-me. Deseja-me.
Ama-me.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet



Sigam também o meu instagram, aqui.   



Sem comentários: