terça-feira, 27 de setembro de 2016

Não vás



Não vás. Não queiras crescer demasiado depressa. Ainda tens os olhos recém-nascidos para o mundo. Acreditas que o podes mudar. E talvez possas. Mas não queiras ir mudá-lo já. Vais ter tempo. O tempo é o que menos falta num mundo onde falta quase tudo.
Sei que não parece. Sei que a fé abranda o tempo e que parece que não estás a fazer nada. Mas estás! Estás a preparar-te para mudar o mundo. Um dia. Outro dia. Mas espera. Antes de segurarem as armas, as tuas mãos precisam de segurar outras mãos. Antes de abrirem para as conversas formais e os gritos de guerra, os teus lábios precisam de conhecer a profundidade dos beijos do verdadeiro amor. Antes de te levarem à distância, os teus pés precisam de criar pegadas no centro do que te torna tu. Não queiras crescer demasiado depressa. Não vás.
Não vás. O chamamento é claro mas não é teu. Não queiras que seja. Não queiras crescer demasiado depressa.
Sei que te deram o sonho. Que o sonho virou semente. Que a semente ganhou raiz e que ela alastra dentro de ti. Sei que é ela que te brilha nos olhos. Esses que são recém-nascidos para o mundo e que eternamente desejam a hora de voar mais longe.
Não vás. Não queiras crescer demasiado depressa. Ainda há sonhos à espera de te encontrarem na inocência dos anos, enquanto as nuvens que chovem lá fora são incapazes de te resfriar o coração virgem e intocado. Esses sonhos esperam encontrar-te aqui, onde guardas a inocência dos anos e a pacatez da infância, a necessidade do afago.
Eu sei que queres ir. Como soa a promessa essa partida! O mundo já to pede – chamando, em tom de assombro, o teu nome, num sussurro. Ele chama. Eu ouço. Tu ouves. Queres ir. Não quero que vás. Por favor, ouve antes a minha voz. Não vás. Não queiras crescer demasiado depressa.
Eu sei que te falei de concretização. Que te disse que podias ser quem quisesses. Mas ainda tens muito a aprender. Ainda não te falei das vontades do mundo, de como elas se sobrepõe às tuas, nem de como se aprende, nas curvas mais sinuosas do caminho, a superar as decepções com um sorriso no rosto. Eu sei que queres ir. Lá, onde podes ser quem ainda não és e onde te podes tornar o concreto de todas as tuas irrealidades. Mas não vás depressa demais.
O horizonte tem uma tonalidade de ouro e diamante nos teus olhos de safira. E, nos teus olhos, esses olhos onde vibra a ilusão do que se transforma em desejo do amanhã, eu vejo a promessa retardada do amanhã que, para ti, nunca mais chega e que, para mim, se aproxima numa corrida desleal. Quero envolver-te no manto de pedra dos meus braços e impedir-te de crescer. Selar-te a vida neste tempo em que se saram os desgostos com um beijo e um pedido de desculpa. E tudo se esquece. E tudo recomeça, como se houvesse pequenas eternidades de mel no agridoce dos teus sentidos. Mas, nos teus olhos, reflecte-se o horizonte. E deles ecoa o chamado que te faz erguer e avançar. Cada passo mais perto da idade. Cada passo mais longe de mim.
Não vás. Não ouves. Não queiras crescer demasiado depressa. O sonho. Ali. Vais crescer. Quero dizer que não estás preparada. Duvido. Questiono. Decido. Quem não está preparada sou eu! Cresceste demasiado depressa. Vai. Precisas de ir. Vai mudar o mundo. Mas, por favor, Espera apenas mais dois segundos. Por mim. Eu vou contigo!


Marina Ferraz





Sigam também o meu instagram, aqui.  

Sem comentários: