sexta-feira, 16 de abril de 2010

Ruínas

A minha casa ruiu. É o que acontece com o tempo. Quando o tempo desgasta a vida e a vida cede. As casas ruem e o barulho da rua torna-se ensurdecedor.
A minha casa ruiu. Ruiu num alicerce quebrado sem que eu saiba o motivo. Nas palavras que não pude dizer e nas que não pude ouvir. Nos motivos dados e naqueles que não foram dados mas antes esquecidos no silêncio.
Ruínas de mim. Foi isso que restou. Ruínas. Pedra sobre pedra com meia dúzia de alicerces intactos segurando coisa nenhuma. E de que vale toda a firmeza de alguns quando já ruiu a minha vida? De que vale o esforço para erguer a alma quando ela jamais se levantará com o mesmo fulgor?
A minha vida ruiu. Caiu sobre mim e levantou a poeira do meu choro. Da minha mágoa. Da minha saudade. Compreendi que ninguém percebeu o que eu sentia. E perguntei-me se seria minha a culpa. Porque eu posso ser culpada. Posso ter passado tempo demais a dizer que amava, sem explicar que o meu mundo estava assente, também, em pilares de afecto, estima e harmonia.
Mas a minha casa ruiu. Porque casa alguma se aguenta ao desgaste dos ventos do norte, quando o vento sopra com a força inevitável de nada poder estar solto e livre o suficiente para escolher estar firme.
Uma palavra, um gesto, um retorno. Qualquer coisa, na verdade... Foi essa a minha espera. A minha lonjura. A minha demora.
A minha casa ruiu. Pobres alicerces caídos com a força de um amor eterno. Ali, destruídos e sós, por entre tantos que apenas se curvaram e tantos que se mantiveram firmes.
Mas que importa? A minha casa ruiu de saudade e a minha vida também. Porque aquele pilar era central. Porque nenhuma casa sobrevive se as fundações ruírem.
E apetece-me agradecer ao vento, com ironia. Dizer-lhe que me matou a alma mas que eu estou bem. Só que o vento ia rir-se. Como sempre. Ia esquecer-se das minhas palavras. Como sempre. Ia saber que era mentira… E não ia devolver-me a minha casa… porque os meus alicerces cederam e eu sou ruínas de mim.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

Sem comentários: