terça-feira, 26 de março de 2013

Não leias este texto



Este é um texto que prefiro que não leias. Tenho muitos, é claro, que gostaria que evitasses, que ignorasses, que não visses. Mas este, este digo-te desde já: prefiro que não o leias.
Tenho medo que, se o leres, não possas olhar da mesma maneira para ti e para mim e para o mundo. Estou a tentar proteger-te. Não o leias...
Neste texto quero contar as tuas maravilhas. A maravilha dos teus sorrisos ou dos olhares sérios que se perdem e voam além dos horizontes do visível, para irem acordar os fantasmas das ilusões sadias. A maravilha das tuas mãos leves e calejadas, feitas para amar, feitas para ferir, feitas para serem a dualidade da existência. Quero falar sobre o teu rosto. O teu rosto sem simetrias perfeitas, sem belezas inigualáveis mas que marca e fixa e prende. O teu rosto que tem uma subtileza fria de ausências e abstracções.
É muito difícil descrever-te. Não sou espelho. Não sou lente. Não sou objectiva  Vejo-te através de um olhar cego de perfeições. De perfeições que começam no teu rosto, no teu sorriso, nas tuas mãos...
Sinto-me pássaro preso. Sinto-me ser sem vontade. Sinto-me só de te ver como não te vês. De te ver como ninguém te vê.
És assim: a lua, quando está cheia. O mar, quando está bravo. O vento, quando está forte. És assim: o dia, quando amanhece. O sol, quando vai alto. A saudade, quando te vais.
Este é um texto que não queria que lesses. Preferia que pensasses em ti nos moldes da insensatez, como se tudo estivesse errado e fosses apenas mais um dos erros do mundo. Mas tu estás certo. Por mais que eu quisesse que te visses nessa redução que te tornava igual a mim. Tu estás certo. Certo como a brisa nos dias mais quentes de Verão. Certo como o sol nos dias mais frios de Inverno.
Agora que o sabes, eu aprendi. Tu vais. Vais onde eu não posso ir, com alguém que não sou eu. Vais rumar à felicidade porque a mereces mais do que ninguém. E, acredita, eu desejo-te o melhor do mundo. Mas, egoistamente, quem me dera que não soubesses quão bonito és. Quem me dera que não tivesses lido este texto.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

7 comentários:

Gloria Almeida disse...

Já não sei descrever os seus textos...! lindo..!! maravilhoso...!! já não chega... a emoção que me provocam é indiscritível...!!!Obrigada :)

Tânia disse...

Está muito bonito o texto, e o título está super original. xD

Jennyfer Aguillar disse...

Lindo mesmo,querida
É tão mágico e perfeito,eu amei todo o texto e senti a emoção de cada palavra :)

Beijinhos Jenny ♥

Joana Meireles disse...

Adorei, e segui :)
visita o meu : http://saphiramemoriasdeumavida.blogspot.pt/

GOSPELMUSICPLAY BACK disse...

Parabens seus texto sempre surpreendentes!

Isa Lisboa disse...

Marina, este texto é brilhante! gostei muito, parabéns!

Beijo
=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Pense fora da caixa

Anónimo disse...

Fiquei mesmo :o parabéns adoro os teus textos. Continua :)