terça-feira, 23 de julho de 2013

Pedidos


As minhas mãos pedem pelas tuas. Sussurram que os seus dedos devem estar enlaçados com os teus para poderem abraçar também os sonhos e conquistar o mundo com espadas de sentido. Elas pedem para dançar com as tuas, valsas que não tenham final nem coreografia. Elas pedem que os dedos se encontrem e se dêem, num eterno desapego de tudo o que fica além do universo onde as mãos se dão e se perdem e se esquecem de estarem abertas e vazias. As minhas mãos pedem pelas tuas.
O meu coração pede pelo teu. Impacientemente, sem justificação. Grita, corre, estrebucha. Quer o teu junto a si, para lhe sentir os batimentos, igualmente impacientes e corridos, gritantes. Diz que não há sentido na distância. Que te quer perto, que quer sentir o teu coração responder-lhe ao ridículo das pulsações arrítmicas, com  a mesma avidez, despida de ponderação ou calma. O meu coração pede pelo teu.
Os meus lábios pedem pelos teus. Querem sentir o toque de um beijo de veludo, que aqueça a alma, arrepie o corpo, mate a saudade, nos leve além do que o mundo possa achar de nós. Eles dizem que querem os teus, para serem um só, para serem completos, para se curvarem em sorrisos reais e plenos que não tenham outro fim senão a eternidade. Os meus lábios pedem pelos teus.
Os meus braços pedem pelos teus. Querem um abraço que se estenda daqui até ao infinito. Um abraço que não tenha apenas começo e fim, mas antes toda uma nova estrutura de tempo, que não tenha limites delineados nem caminhos definidos. Um abraço que nos leve ao toque arrítmico do coração e à criação do sorriso que os meus lábios querem com o teu beijo. Os meus braços querem sentir-te o corpo, enlaçar-se nele, como se abraçassem a lua ou as estrelas de um universo nunca sonhado pelo comum dos mortais. Os meus braços pedem pelos teus.
Os meus olhos pedem pelos teus. Querem essa suavidade azul pousada em mim. Querem esse brilho insensato que me faz sorrir e me derrete as mágoas, transformando-as na sombra pura de uma felicidade atroz. Pedem pela suavidade que trazes no olhar e com a qual me fazes crer que sou bonita e me fazes sentir a pessoa mais especial da história dos mundos. Os meus olhos pedem pelos teus.
O meu corpo pede pelo teu. Um grito de desespero que se forma nas mãos, segue até ao coração, se estende nos lábios, nos braços, no olhar... É entre arrepios e afirmações e desejos que nunca mais terminam que o meu corpo me diz que a minha alma também pede por ti. E é com sensações que vão além dos sentidos que, sem vergonha, o meu corpo me vai dizendo que te quer até ao limite onde nós sejamos realmente um só, perdidos do mundo e eternamente um do outro. O meu corpo pede pelo teu.
A minha alma? A minha alma pede pela tua. Mas ela não pede apenas. Ela implora. Diz que te conhece de outras Eras, de outros tempos, de outras vidas. Quando me pede pela tua, a minha alma não fala de abraços, nem de beijos, nem de sensações. Mas ela pede frequentemente, principalmente quando a noite cai. E, quando pede, eu ouço baixinho, a ecoar pelas sombras dos meus dedos, do meu coração, dos meus lábios, dos meus braços e dos meus olhos que pedem pelos teus... ouço-a pedir, não dizendo que quer a tua alma... mas que quer a outra metade de si.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

8 comentários:

Maria disse...

De tudo que tenho lido ,este texto bateu fundo -há um desejo do outro inquietante ,tão inquietante que o EU o sente como uma projeção da cumplicidade de outras vidas -
Simplesmente delicioso -Maria

Branca disse...

Todos os textos são sempre muito profundo, mas este faz com que mecha com os sentidos e se pode perceber a profundidade que a alma anseia, que necessita do toque da pele, muito lindo muita paixão, muito amor que estrema a razão...

Jennyfer Aguillar disse...

É lindo,tão profundo,desperta o mais puro dos sentimentos.Amei lê-lo.Parabéns querida,mais um texto para minha coleção de favoritos :D
Beijinhos Jenny ♥

Anónimo disse...

Olá,este é um dos primeiros textos que leio de ti Marina e quero lhe dizer que tive muito gosto.É uma escrita simples e de grande perfeição.
Muitos parabéns
Clarissa M.

Universo dos Leitores disse...

Nossa Marina, parabéns pelo texto profundo e tocante, mas ao mesmo tempo repleto de sensibilidade! Adorei mesmo...

www.universodosleitores.blogspot.com.br

Anónimo disse...

Amas Gêmeas...por onde andará a minha?

claudia campos disse...

wauuu...memo relendo esta linda diria canção aos olhos da alma. nos faz viajar em sonho aveludado e macio perante a uma realidade inerente e me faz ir alem

claudia campos disse...

wauuu...memo relendo esta linda diria canção aos olhos da alma. nos faz viajar em sonho aveludado e macio perante a uma realidade inerente e me faz ir alem