terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Demasiado



Ela punha demasiada manteiga no pão. Demasiado chocolate no leite. Demasiado açúcar no café. E, depois, esquecia-se de temperar a vida. Ficava quieta. Calada. A olhar para o infinito. Sem tristeza nem alegria. Somente com o vazio ponderado da abstracção.
Ela punha demasiada espuma na água do banho. Demasiado incenso nas salas comuns. Demasiados pontos finais nos textos escritos à pressa. E, depois, esquecia-se do aroma do mundo. Fechava-se nela. Longe. Sem viver.
Ela punha demasiada atenção na roupa passada. Demasiadas notas na agenda. Demasiado intento na lavoura dos dias. Demasiadas regras no momento que passava. Mas, depois, não punha demasiado de nada nas suas vivências. No salto abrupto e ininterrupto, cheio de normas e exageros, a vida era confinada à infinidade desunida do nada.
Passando na rua, ela deixava no ar um sentido de urgência, misturado no azedume de nem se notar a sua passagem. Um tudo ou nada de perfeição imperfeita, sem nome, cheio de nomes. Cheio de penas e de planos para amanhã. E sentava-se, sempre na mesma mesa, pedia sempre o mesmo, olhava para mim sempre com um vazio atolado de coisas. E falava, em silêncios cortantes, atropelando palavras na ânsia de chegar ao fim das frases, ao fim da conversa, ao fim da vida.
Um dia disse-lhe. Disse-lhe que punha demasiada manteiga no pão e demasiado açúcar no café. Insisti que pontuava demasiado os textos e que, talvez por deformação, pontuava também a vida em demasia, em pontos finais que situava, de forma atabalhoada, em frente a tudo o que a podia fazer feliz. Apontei-lhe o dedo, disse que se importava demais com a roupa engelhada, com as tarefas do dia, do mês, do ano. Ela punha demasiadas dúvidas nas minhas palavras, demasiados conflitos nas nossas conversas, demasiadas barreiras entre nós. Fazia-o como quem não sabe que pode entender que existe um mundo fora dos obstáculos muralhados com os quais protegeu o corpo indefeso.
Então eu disse-lhe. Disse-lhe que não era ela contra mim. Nem eu contra ela. Expliquei-lhe que, algures, havia um nós contra tudo. E, longe de entender, ela pôs demasiados medos sobre a mesa na qual se sentava sempre com o mesmo pedido e o mesmo olhar vazio de mente cheia. Podia ter desistido. Mas, talvez porque a ame demasiado, escolhi ensinar-lhe a arte da vida. E, por entre as coisas mais simples do dia, tento fazê-la feliz.
Ela ainda põe demasiada manteiga no pão. Demasiado chocolate no leite. Demasiado açúcar no café. Ainda se preocupa com as tarefas. Ainda usa a agenda e demasiados pontos finais nos textos. Mas está a aprender. E, de vez em quando, esquece-se da agenda em casa. De vez em quando, não se importa se o trabalho atrasa. De vez em quando, deixa tudo apenas para estar sentada ao meu lado, a ver-me jogar. Começa a deixar de temperar a vida com os mesmos sabores de sempre. Quer estar aqui. Quer viver. Sorri. Não demasiado. Na medida certa. E para sempre.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

5 comentários:

macy disse...

Amei este texto... faz tanto tempo que não vejo nada teu no meu feed! Aabei por deixar de acompanhar o blogue :( Vá, pôe demasiados posts no face, por favor! A vida não pode ter tudo em demasia mas há "coisas" que demasiado... nunca é demasiado :) Gosto muito do que escreves.
Beijinho
Teresa Carvalho

Jennyfer Aguillar disse...

E por demasiar demais é que tudo se estraga,é preciso a medida certa.
Amei o texto querida ^.^
Beijinhos Jenny ♥ ♥

Alípio Vieira Firmino disse...

O que este texto não tem em demasia são sentimentos... Parabéns :-)

Carla Ramos disse...

É verdade, é preciso moderação para a via não passar sem a termos vivido.
Só conheci hoje o blog, mas adorei os textos! Parabéns :)

MIDTCLA disse...

Diferente dos demais gostei em enorme demasia,que diferenciou DEMASIABAMENTE, parabens em demaSia