quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Os teus pensamentos


Às vezes, gostava de ler os teus pensamentos. Como um livro. Imagino-os escritos, impressos, negros e delineados, nas folhas amarelecidos e gastas dos anos. Imagino-os ondeando por entre o aroma a papel antigo que paira nas alfarrabistas menos conhecidas. Não acho que os teus pensamentos pudessem fazer parte de outras obras. Acho que teriam a idade dessa alma velha que carregas dentro do recipiente jovem do corpo com o qual te encontrei - ou reencontrei,
Quando os teus olhos pousam em mim e eu não te devolvo o olhar, pelo que pensas que nem noto. É nesses momentos que gostava de folhear o teu pensamento. Saber como me vês, se me compreendes, se, secretamente, ponderas também como seria bom poderes ler o meu pensamento.
Não sei com que palavras pintas o retrato do que os teus olhos encontram nesse olhar subtil sobre o meu semblante. Sei como eles brilham. Porque é que brilham? Fico a perguntar se me vês ou se vês somente o retrato do que eu poderia ter sido. Não mereço o brilho dos teus olhos azuis. Mas, Deuses, dava uma vida para conhecer as nuances que te permeiam a mente quando olhas para mim.
Às vezes, gostava de ler os teus pensamentos. Como um livro. Vê-los pontuados com exclamações e interrogações e reticências. Saber os tempos verbais e os complementos - oblíquos ou não - que os atravessam. De os respirar, compassando a leitura com o bater do meu coração caótico e arrítmico.
Talvez os teus pensamentos nem me dessem respostas firmes. Talvez fossem somente o incentivo de cem outras questões. Mas gostava de os ler. Lê-los seria como descobrir a escada para um segredo escondido num lugar distante. Uma consciência sã de que, se chegar a ti, talvez possa perceber-te até ao mais ínfimo grão de poeira.
Olho pela janela. Sinto os teus olhos presos em mim e sei que eles brilham. Não te devolvo o olhar. Deixo que olhes, perdido nesses pensamentos que só tu conheces.
Às vezes, gostava de ler os teus pensamentos. Como um livro. Mas os pensamentos prendem-se em ti e perdem-se no vazio que nos separa. Ignoro-os. Aproximo-me. Bebo do brilho dos teus olhos. Faço dos meus pensamentos som. Digo que te amo. É um pensamento velho, como a tua alma e a minha. Mas nunca fica gasto. E isso é tudo o que importa.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

Sigam também o meu instagram, aqui.

3 comentários:

crazy40blog disse...

Muito delicado!

kassie disse...

Uma escrita soberba Marina. Gostei muito deste texto.

Jennyfer Aguillar disse...

Um texto realmente muito bonito,a escrita é leve,simpática e preciso mostrar a uma pessoa especial,porque é como se fosse escrito para ele hehe.
Lindas palavras :D
Beijinhos Jenny ^.^