terça-feira, 19 de julho de 2016

Deixa-o entrar



Vai abrir a porta ao sol. E a janela. Deixa-o entrar. Com os seus raios, espero a alegria. Da alegria faço a flor que planto na jarra. Condenada à morte precoce pela separação das raízes. Mas deixa entrar o sol. E deixa que ele traga a felicidade. E a vida. Para beijar o rosto florido da morte que o espera dentro das paredes frias da casa. Vai. Vai abrir a porta ao sol.
Não tardes. Abre as portadas. As janelas. As cortinas. Chama-o. O sol. Convida-o a entrar na sala onde a jarra ostenta a flor que, exultando o aroma da manhã, acentua já a chegada das noites sem retorno. Não tenhas medo que ele entre. Ao entrar, cada sombra será brilho. Do brilho podes tirar a receita do amor que te leva a regar a morte, como se a consciência que te pesa lhe retardasse o desvanecer da última pétala caída. É um poema do romantismo. Meio agreste, meio tosco, cheio de floreados em torno do que perece e fica espalhado no chão, debaixo do chão, feito em cinza. Vai abrir a porta ao sol. Deixa-o entrar.
No teu jeito sem jeito e na tua postura errónea de coisas incompreendidas. Não sabes o que fazer. Mas eu sei. E digo. Vai. Vai abrir a porta ao sol. E a janela. E qualquer espaço por onde os raios amarelados do tempo possam penetrar as frestas e encandear os olhos cegos do inesperado. Não queiras ser escuridão, se é a luz que te beija a pele. Deixa entrar o sol. Na tua casa. Na tua alma. Deixa-o beijar a jarra onde a morte se faz promessa e a beleza se faz castigo. E aprecia a tonalidade carente do amanhecer que te nasce nas paredes e que as pinta, salpicando-as de sombra e sonho, como se fossem uma coisa só. Vai. Vai abrir a porta ao sol. Deixa-o entrar.
Não tenhas medo. Respira. O ar. Dentro. Fora. Além de ti. Respira. Respira e vai. Vai abrir a porta ao sol. Deixa que ele afaste o que fica entre a beleza perene e a angústia permanente do que não pode sair pela porta pela qual, agora, entra o sol. E agradece a porta aberta. Agradece a janela aberta. Agradece as mãos que te deixaram abri-las. Agradece que elas abram. Agradece a alma que te prende a ti. Agradece ao sol que entra, mesmo sem convite, para te aquecer a frieza do desassossego triste.
Vai. Vai abrir a porta ao sol. E a janela. Esquece a amargura. Esquece a raiz. Esquece a jarra. Porque o sol que entra não me aquece. A raiz foi cortada. E a flor sou eu.


Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui. 

1 comentário:

Natalia Canais Nuno disse...

Atenção está a ser plagiada assim como outros autores numa página do face que se chama «Pedaços de Mim». só duma autora plagiou 200 poemas, por acaso descobri o seu, agora que sabe tome medidas se quiser claro.
o link é este https://www.facebook.com/Peda%C3%A7os-De-Mim-858162924224671/?pnref=story

natalia nuno