terça-feira, 12 de julho de 2016

Desenlace



O sonho, a fé, a ilusão:
Bebeu-os de uma só vez.
De tanto cair no chão
Foi chão que um dia se fez…

Mesmo de rojo, sonhando,
Não abriu mão do querer:
Arrastou-se mas levando
O tanto que podia ser.

Ferida aberta ou cicatriz
Esse ir sem saber aonde,
Caminho que não se diz,
Questão que não se responde.

Por assim olhar, do chão,
O tanto que queria perto,
Cegou o seu coração,
Peito rasgado e aberto.

Sentiu o sono chegar
Nessa ilusão da tortura.
Sorriu sem acreditar,
Um sorriso que não dura…

Esqueceu-se de sentir
E nem sequer quer saber
Se fecha os olhos para dormir
Ou se os fecha p’ra morrer…

Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet


Sigam também o meu instagram, aqui. 

1 comentário:

Jennyfer Aguillar disse...

Acho que este foi um dos poemas mais complexos teus que já li,tive que reler para absorver mais,a escrita impecável,o sentimento que transborda,uma ideia de cansaço que castiga e inunda o peito,nem sei o que dizer,só elogiar :D
Incrível,querida,parabéns ^^
Beijinhos,Jenny ^.^