terça-feira, 1 de novembro de 2016

Dia de folga



Acordar. O grito do silêncio no lugar do despertador. Soando na cabeça como um sino de igreja. Infernal e sem abafo. Lembrando. Dizendo. A hora passou e é hora. Vem correr. O dia já corre e o relógio é inimigo.
Com o som desse silêncio, os pés pousam no chão. E as mãos comprometem-se com a tarefa acumulada dos dias passados. Apanham do chão a roupa. E levam-na ao encontro da água, dos pós, dos aromas. Ao encontro do sol. Ao encontro do que fica lá fora estendido. E aproveita-se a mais ténue brisa. O mais breve dos raios soalheiros. Até que, voltando ao interior, se traz calor e fumo e vapor. Se acresce e finaliza.
As mãos comprometem-se com a louça. Fazem jogos sonoros. E mergulham na água. Tilintando pratos e copos. Agitando panos. Uma dança. Uma coreografia. E avança, ao som desse silêncio, para uma dança de pares. Com a vassoura. Com a esfregona. É uma festa onde os intervenientes dançam pelo chão. Com ou sem vontade.
Até ser hora de pôr na mesa a refeição. Caseira. Com o ponto de tempero. Com o sabor edificado nas escalas do que se busca nos permeios insaborosos da vida. Uma refeição que se trabalha e engole sem provar.
O dia avança. Avança também. É hora!
Cama feita de lençóis limpos. Toalhas de rosto trocadas por aquelas cujos aromas evocam flores e frutos. Telefonemas trocados, marcando consultas e necessidades. E pés saindo de corrida, levando nas mãos a lista rabiscada de tudo o que vai faltando. Carrinhos que se enchem. Talões que se entregam. Cartões que se passam. Cifrões que passam de umas contas para as outras à medida que anoitece o dia.
Acumulam-se compras na dispensa. Reciclagem nos sacos. Cansaço nos ombros.
E a hora que corria chega. É hora. De dormir. A folga acabou. E amanhã é dia de trabalhar…



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet






Sigam também o meu instagram, aqui.  



Sem comentários: