terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Mais um dia




Olha, amor. Nasceu mais um dia sem ti. E o sol não sabe. Tento manter a verdade dentro dos limites frios das paredes. Para que ele brilhe.


Não é mentira, entende. Omito apenas a mágoa das verdades que me povoam o peito, para que possas sair e dançar. Mão na mão sem a minha mão. Sorriso no rosto sem o meu sorriso. Passos moles sobre areias rijas do tempo que eu já não tenho.

Não é mentira. É apenas vontade. Vontade de que o sol te beije o rosto que eu não agarro. Te pouse nos lábios que não beijo. Te aqueça as mãos despidas de mim e que se revoltam na ideia do regresso. Vontade que o sol te abençoe os amores e as escolhas. Vontade de que ele não saiba das minhas asas dilaceradas e feitas em pó, que se acumulam no fundo das fogueiras de Inverno.

Mas olha, amor. Nasceu mais um dia sem ti. E o sol não sabe. Às vezes noto que alguém avança, intempestivo, feito nuvem, para o céu onde ele brilha. Faço feitiços. De sal e de sálvia, gastando saliva e tempo e segredos só meus. E impeço que essa nuvem te chova com o turbilhão de arrependimentos toscos que trago no peito. Um aviso deserto de brandura. Ninguém se atreva a dizer ao sol que nasceu mais um dia sem ti!

Caminhando no morno abraço dos raios que se quedam do céu, imagino-te feliz. Nasce um sorriso molhado no meu rosto de pedra. Desapareço nos lábios que nem sabem sorrir. Mergulho neles, como quem mergulha na mágoa. Uma ideia demorada no espaço onde o nunca e o nada procriam. E nasço eu, na posição fetal de uma dor que não se explica. Sorrindo. Porque, algures, sob o sol, também sorris. E tens quem sorria de volta. Nessa bênção que eu peço e dou todos os dias. Esses dias em que não digo – e não deixo que ninguém diga – a verdade ao sol. Essa de que nasceu mais um dia sem ti.

O sol cresce, ergue-se, ponteia o céu em todas as posições. Engraçado como gira a Terra que eu piso e a minha mente, de formas tão similares, sem que ninguém se aperceba. E também o sol não se apercebe. Nem do movimento terreno, nem da minha dor, nem que nasceu mais um dia sem ti.

Calo palavras alheias de revelação. O sol não sabe nem se quer que saiba. Shhhh… deixa-o ser feliz.

Aos poucos, ele adormece. Raio a raio. Anoitece e o sol, que sorri no horizonte, fervilha e não sabe. Uma pequena vitória num dia vazio. Ninguém disse ao sol que foi mais um dia sem ti.






Sigam também o meu instagram, aqui




Sem comentários:

Publicar um comentário