terça-feira, 3 de março de 2020

Será

Fotografia de Analua Zoé 

Será?

Será que Deus não nos quer completos?

As caixas são fechadas antes de se fecharem os caixões e os olhos, para que os caixões se fechem. Acordamos neles! E o caixão é o corpo que ainda sonha. O corpo que ainda sofre. O corpo inerte, de coração destruído ou pulsante. A querer ser pássaro. A matar pela ideia de vir a ser pássaro. Sem nunca o ser.

Há quem não tenha liberdade. Quem não tenha amor. Quem não tenha liberdade de amar.
Será que Deus não nos quer completos?

A pergunta soa a chuva. Talvez porque, essencialmente, caia. Ácida. No ácido de pensamentos poluídos que queriam ser sonho primeiro e inexistência a seguir. Na dimensão do que não acontece. Do que não é. Do que não poderia ser, ainda que se tentasse que fosse. A pergunta soa a chuva. Bate nos vidros da mente. Gota. Gota. Enxurrada de pensamentos. A pergunta é ácido que queima nas  veias.

De repente, o céu abre. E o céu é azul. O tempo passa com as estações. E nós saímos no apeadeiro do tempo. Tarde. Tão tarde que partiram todos os comboios. Ficamos apeados, algures no inferno que se monta entre invernos e primaveras. Neste jardim, as flores nascem murchas. A semente era ópio. A semente era azul. E pergunta.

Será que Deus não nos quer completos?

Risco.
Recomeço.
Não recomendo: nem riscos, nem recomeços…

Recomeçar dói como riscos de cicatriz da pele, quando a caixa se fecha antes dos olhos. É ter de explicar tudo outra vez. De olhar para o negro que se faz dentro, mexendo no borro de uma alma que caiu em muita lama antes de largar as transparências. Lavar essa sujidade com água da fossa de nós. Recomeçar dói.

E há, algures, quem não tenha liberdade. Eu não tenho! E há, algures, quem não tenha o amor que me sobra. Sobra… mas por não ter liberdade de amar.

Com o passar dos anos, a liberdade foi-se com a ilusão e os amores foram-se em busca de amores melhores. Descobri que o tamanho do amor que eu tenho em mim é desajustado à época. Pesado e pouco ergonómico. Nada fácil de transportar nas mudanças e essencialmente descartável por não ser portátil…

Não foi só isso que descobri. Também descobri que os anos não nos dão mais respostas… mas mais perguntas. Todas resumidas numa só.

Será que Deus não nos quer completos?

Esta e a pergunta que sobra. Sobra. Como o amor em mim! Esta e a pergunta que sobra: Será que Deus não nos quer completos?

Mas não sabemos se acreditamos na plenitude desse “completos”. 

Sabemos só que (já) não acreditamos em Deus!


Sigam também o meu instagram, aqui


Sem comentários:

Publicar um comentário