terça-feira, 2 de março de 2010

Dúvida

Quem compra um objecto partido,
Ainda que seja o melhor do mundo?
Quem escolhe ler um livro sem sentido
Ainda que digam como é profundo?

Quem ama uma loucura incoerente
Ainda que sobeje de pureza?
Quem escolhe a tempestade, indolente,
Por maior que seja a sua beleza?

Quem não optaria por estradas
Mais certas e mais fáceis de seguir?
Quem escolheria ter vidas trocadas
Com quem só trapos pode vestir?

Quem suportaria a própria alma
Optando por uma vida infeliz?
Como chegaria a paz, a calma
Nesse tormento que não se diz?

E quem quereria um coração
Partido e remendado como o meu?
Quem guardaria a desilusão
Que o amargo destino me escolheu?

Quem quer curar fantasmas alheios
Ou beijar lábios secos de saudade?
Quem quer ouvir histórias de permeio,
Contando como é triste esta ansiedade?

Quem poderia querer-me assim,
Quando pertenço, triste, a meu passado,
E tudo o que há de bonito em mim
S’ encontra no meu coração quebrado?

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

3 comentários:

Lídia disse...

Paradoxal, fizeste-me lembrar Florbela, com um toquezinho de Camões lírico. Bons tempos, esses!
Beijinhos

Lu disse...

Lindo! :p

BRANCA disse...

amei muito profundo ao retratar o passado ja tão distante...