quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Dias


Persistência da Memória - Salvador Dali

Às vezes não há nada certo a dizer. As palavras ficam vazias de sentido. Dizem demais. Não dizem o suficiente. Não expressam o grito crescente ou o riso sonante que nos ecoa no peito.
A alegria e a tristeza. A bipolaridade de vivências terrenas que se entrecruzam em mil momentos, em mil presenças, em mil ausências, em mil sentidos.
Haverá sempre dias em que temos muito para dizer. E haverá tanto por ser dito no final desses dias. Tanto que as palavras não suportam na sua enorme e infinita pequenez.
Porque as palavras - por mais que as ame - serão sempre esse gigante mal tratado que se ergue e se aumenta e se anula. As palavras serão sempre essa magia pura e intocável.
Há dias em que temos tanto para dizer que nenhuma palavra basta. E, depois, há dias que falam por si, simplesmente porque não há palavras suficientes para exprimir o que temos para dizer... porque é impossível dizermos tudo aquilo que sentimos.



Marina Ferraz

1 comentário:

Tânia disse...

Simplesmente lindo, um dos melhores textos até agora...