quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Sombra


Não quero que sejas como eu. Não quero que vivas como eu vivo. Não quero que sigas os meus passos, que uses os meus gestos ou as minhas expressões. Não quero que penses como eu penso nem que acredites nas coisas em que eu acredito tão profundamente. É isso mesmo. Não quero que sejas igual a mim!
Não quero que te curves aos mesmos Deuses nem que sigas os mesmos trilhos. Não poderia amar jamais alguém que me seguisse aonde eu fosse sem perguntas, sem dizer "chega" aos meus exageros e sem erguer a voz aos meus erros. Não poderia aceitar alguém que me desse razão a todo o momento. Por isso, se há uma regra a regra é esta. Não quero que sejas como eu.
As pedras da calçada conhecem os meus passos. Sabem que eles não são sempre certos e que, por vezes, escorrego e caio nas curvas desta estrada que é a vida. As pedras da calçada sabem que eu firmo as mãos e me levanto sozinha. Elas sabem que eu sou desastrada mas forte. Elas sabem que eu consigo viver por mim.
Tu não és uma pedra da calçada. Não sabes quem sou. Não sabes a força que tenho para me levantar nem sabes que jamais aceitaria uma vida sem quedas. É isso que me torna humana. Às vezes é preciso que doa. Às vezes é preciso que o coração sangre para acordar mais forte, no dia que vem a seguir.
Não quero que sejas como eu. Que me imites os movimentos dançados, que sorrias quando estás triste. Não quero que te sentes à frente do papel branco e descarregues nele as angústias por achares que ninguém entende. Não quero que penses, para ti, que a vida é a página em branco que fica a seguir àquela que já foi escrita, riscada, amarrotada e atirada para o cesto do lixo.
Se te amar, acredita, vai ser porque tu és diferente de mim. Porque és uma peça que me falta. Uma confiança que não tenho. Um riso que não sai por entre as lágrimas. Se te amar, vai ser porque vou saber, de olhar para ti, se estás bem ou mal, feliz ou triste. Nunca, jamais poderia amar alguém igual a mim.
Acredita. Não quero quem me siga. Quero quem me complete. Não quero quem concorde comigo. Quero quem me chame à razão. Não quero quem se cale com medo de me magoar. Quero quem me grite motivos e razões. Não quero quem esteja nos bons momentos para desaparecer nos maus. Quero quem esteja sempre lá, concordando ou não, para me segurar nas quedas ou simplesmente dizer "eu avisei". Para seguir comigo, concordar comigo, agir como eu e desaparecer nos momentos de escuridão, eu já tenho a minha sombra. Esteve ali a vida toda, a imitar-me cada movimento, a seguir-me por cada caminho. Ela é exactamente como eu e eu nunca me apaixonei por ela.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

5 comentários:

Tânia disse...

Lindo, Marina, especialmente o último parágrafo... dá que pensar... será que estamos realmente melhor com pessoas diferentes de nós, e não com as nossas "sombras"?

BRANCA disse...

Amei ....em linda mensagem traz-nos a uma real realidade vista por poucos sendo explanado os valores reais de uma nescesidade que e a união da vida em andar de mãos dadas e o auxilio do dia dia de uma união. parabens

Gabi disse...

O que acha http://gabigardim.blogspot.com.br/2012/11/nao-seja-igual-mim.html

Tânia disse...

E mais uma vez acertas-te... Texto lindo, palavras certas e um tema sem dúvida pertinente... Quase senpre pensamos que a pessoa "perfeita" para nós tem de ser parecida connosco, com mesmos gostos etc... Mas eu concordo contigo... Se essa pessoa fosse como nós, iriamos achar muitas faltas e defeitos nela, tal como encontramos em nós mesmas... Não iria haver um desafio diário de tentar decifrar, entender e respeitar as diferenças da pessoa que amamos e para mim isso faz parte do que é uma relação. Tem que haver algo na outra pessoa que nos complete e que puxe por nós.
Gostei muito do texto! Continua... :)

Glória Almeida disse...

Sem mais comentários, porque me faltam as palavras...
Lindo...!!! Parabéns e obrigada por me dar esta oportunidade de ler textos que me tocam a alma, quase sempre