terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Estás aí?



Estás desse lado. Eu sei que estás. Estás à minha espera. À minha procura. E, quando te perguntam porque estás só, respondes, com um meio sorriso "porque a solidão é uma estrada e ela é a minha meta".
Estás desse lado. Oculto por um mar de impossibilidades que nunca muda a maré para facilitar o encontro. Oculto por paredes de hera e contratempo. Com uma espada de fé erguida, caminhando em passos gastos na minha direcção.
Passo a passo. Um atrás do outro. Procuras e não me encontras por entre cidades cheias de gente vazia. Por entre desertos sem oásis nem alucinações. E desesperas um pouco mais a cada dia. Desesperas porque sabes que eu existo e não sabes onde estou. Porque sabes que, do outro lado, eu estou à tua procura sem saber onde tu estás.
Estamos perdidos, tu e eu. Amantes que nunca se viram e sempre se amaram, à espera do que todos dizem que é ilusão. Chamam-te louco? A  mim chamavam. Chamaram-me louca, enquanto se importaram. Mas já não se importam. Já não querem saber. Dizem que me perdi, que me dei, que me entreguei a uma ilusão. Mas não és ilusão, pois não? Estás desse lado, à minha procura, a tentar explicar às pessoas que a maior loucura de todas seria não procurares por mim.
Não desistas, por favor. Eu estou aqui. Estou aqui à tua espera. E, quando me perguntam, digo apenas que quero o horizonte que chega com os teus passos cansados.
Estás desse lado. Eu sei que estás. Estás à minha espera. À minha procura. E trazes junto ao peito uma imagem de mim que ainda não sou eu. Mas serei eu, um dia. Quando entenderes que essa imagem sem rosto tem os meus olhos e os meus lábios. Quando entenderes que não poderias amar mais ninguém.
Estás aí. Ninguém sabe mas eu sei. Estás à minha espera, à minha procura, curioso por saber se, deste lado, eu também espero por ti. E estás impaciente. Como se o era uma vez fosse longo demais e a história tardasse para acontecer. Mas acredita: ela vai acontecer. Porque, desse lado, estás à minha procura e, deste lado, eu espero por ti.
Estás desse lado. Não estás? Estás à minha procura? Estás à minha espera? Por favor... não deixes a resposta vazia ecoar no silêncio. Estás aí, não estás?

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet (autoria de Renata Pineze)

10 comentários:

Tânia disse...

Lindo mana! Começaste bem o mês com este primeiro texto! Adorei <3

Anónimo disse...

Texto maravilhoso
Eu amei e partilhei :D
Beijinhos do Brazil
Jenny *--*

BRANCA disse...

confeso que antes de comentar estou enchugando minhas lagrimas que insistem em correr e rolar sob o teclado ..e muito profundo real muito verdadeiro que meu comentario so e uma palavra indescritivel em meu a meu lagrimejar... para o amor posso disser não tem barreiras pode passar o tempo ele nunca morrera.....

Adriana disse...

Lindo, Lindo demais Marina!! Realmente, você tem o dom...tenho identificação plena com os seus textos...Obrigada por compartilhar!

Alice às avessas disse...

Chocante!

DUDA disse...

D++++++++ MUITO LINDO!

Tânia disse...

É engraçado, há uns dias atrás escrevi um texto parecido com este. ^^ Está muito bonito, um dos mais crus e reais que escreveste ultimamente - sente-se o desespero. Demonstra na perfeição o anseio mais profundo e secreto de muitos de nós...

Jessica A. disse...

Gostei muito seus textos são ótimos e você é magistral.

Bianca disse...

Querida!
Tou seguindo teu blog!
Espero visitinhas suas e que siga o meu de volta!!

http://umarosachiclete.blogspot.com

beijinhos!!

Anónimo disse...

Amei esse texto! parabéns!!