quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Este amor


Sou casada com a esperança e enamorei-me pela ideia da felicidade. Este é um amor que ninguém pode vencer. É maior do que tudo e todos. É maior do que a vida.
Gosto da felicidade assim: rabugenta e difícil, a pedir-me a luta constante, em remates desiguais, feitos numa luta que, à primeira vista, não pode ser vencida. Gosto da felicidade perto e longe. Do caminho que me leva até ela. Do tempo que a traz até mim.
Mas é a esperança que fica, quando a felicidade vai embora. E é por isso que escolho viver com ela, todos os dias. Foi por isso que troquei com ela alianças de poeira e ouro branco. Foi por isso que, sob o olhar assertivo dos Deuses, lhe disse que sim.
Este triângulo amoroso funciona. A esperança sabe que amo a felicidade, a felicidade sabe que, sempre que se vai, a esperança fica. E ambas me aquecem pelos dias frios e as noites intermináveis, como se se ignorassem uma à outra ou como se também se amassem.
Sou casada com a esperança. Todos os dias de manhã, ela me acorda com um abanão suave e me diz: "Tem força, hoje vai ser melhor.". E, se eu não respondo ou choro, ela acrescenta, no tom maternal de uma anciã: "Ela há-de vir, a felicidade há-de vir".
E eu levanto-me de um pulo para abraçar a esperança, para lhe dizer que acredito nela e a amo, apesar de tudo. Ela sorri e agarra-me. Um abraço que me segue aonde eu for, que me protege do que quer que venha.
Às vezes é verdade. Outras vezes é mentira. Nem sempre a esperança tem razão. Há dias em que a felicidade adentra o quarto e me ilumina. Há dias em que ela não passa sequer à minha porta. Mas a esperança insiste, ao longo do dia, "trabalha, sorri, ela há-de vir". E eu, menina tonta, continuo a acreditar. Ela virá. Ela acabará por vir. Um dia, ela irá morar comigo e com a esperança para que todas estejamos bem.
Este amor. Este amor pelo futuro que ainda não chegou é a minha dádiva. Este amor pela esperança. Este amor pela felicidade. Ninguém gosta de estar triste. Mas, por vezes, quando a felicidade não vem, basta saber que estamos a caminhar para ela. E vale a pena ser triste com a esperança, mesmo que ela esteja errada e a felicidade não chegue jamais. Porque, enquanto a esperança me acordar de manhã dizendo "Ela há-de vir", uma parte de mim irá esboçar um sorriso e ser secretamente feliz, na espera do melhor de amanhã.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

5 comentários:

Anónimo disse...

Texto perfecto,parabéns querida.
Beijinhos Jenny

Giordano Maçaranduba disse...

Excelente o texto!!!

Tânia disse...

Adoro a originalidade por detrás do texto... como pegaste numa ideia "comum" como a de alguém agarrar-se à esperança e à ideia da felicidade e lhe deste uma reviravolta, fazendo delas duas figuras quase humanas, contigo a conviveres com elas e entre elas. E os sentimentos no texto são, como sempre, muito universais. Parabéns. :)

Tânia disse...

Lindo mana! :)***

BRANCA disse...

PARABENS...FOSTE DE UMA ORIGINALIDADE IMPAR COMO SEMPRE DELINEANDO OS SENTIMENTOS QUE TOCAM NOS ....AMEI...