terça-feira, 9 de abril de 2013

Hoje não



Existe felicidade no mundo. Sorrisos, gritos de histeria, corridas de desejo em estradas de amor. Existem contos de fadas. Princesas de alma, sapatinhos de cristal perdidos e encontrados em bailes sem máscaras nem intrigas. Existem sonhos. Suspiros contentes, risos abafados por uma mensagem ou um olhar trocado por duas almas que se completam. Sim. Eu acredito no amor e na felicidade. Sei que eles existem. Mas hoje não.
Hoje não há felicidade. Hoje não há sorrisos. Hoje não há sonhos. Eles existem... mas hoje não! Hoje o coração chora. Não preciso de explicar porquê. Toda a gente tem dias maus e pesadelos acordados. E hoje, para mim, ainda que mil contos de fadas esvoacem em meu redor, não os verei. A felicidade é algo que só se vê quando se sente.
Hoje não há manhã. Não há céus azuis nem lua cheia. Hoje não há marés que tragam sereias até à margem deserta do meu pensamento. Hoje não há esperança. Não há fadas nem princesas ruivas a rodopiar por florestas de sonho. Hoje o amor não existe e, sem ele, os rios não correm, as nuvens não desaparecem, o sol não brilha. Sem ele, o tempo pára numa dimensão de irrealidades onde tudo o que pode ser visto é feito de trevas e tudo o que pode ser tocado gela.
Existe felicidade no mundo. Risos contentes e chamas acesas. Velas a arder numa súplica eterna pela eternidade de um segundo. Existem reinos de magia e gargalhadas sem fim, ao redor das fogueiras do contentamento. E há danças, teatros, movimentos cruzados e palavras ditas. Gentes sem maldade. Crianças felizes. Adultos com esperança de que a alma não envelheça. Mas hoje não.
Hoje não há riso nem vela que arda. Não há adulto ou criança que guarde em si a mais remota poeira de esperança. E o cansaço adensa, na saudade eterna do que nunca foi, pelo medo de que nunca seja.
Hoje há trevas e saudade. Hoje há dor e desassossego. Hoje há frio e maldições. E vou dormir com a incerteza de um amanhã melhor. Porque há felicidade no mundo mas hoje, sei lá eu porquê, ela não existe dentro de mim. 

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

10 comentários:

Gloria Almeida disse...

Às vezes penso se não conhecerá a minha alma...!!!Sabe-se lá porquê, hoje o meu coração está cinzento como o tempo por aqui...mas amanhã, as cores serão ainda mais intensas e brilhantes. Obrigada Marina Ferraz, por mais este texto maravilhoso <3

Tânia disse...

Ia fazer um comentário diferente, dizer que gostava de te ver mais feliz (apesar de não te conhecer) - mas hoje também eu me sinto assim. Resta apenas esperar que passe e que algo de melhor venha.

Um texto bonito e que diz tanto, como já é costume.

MIDTCLA disse...

tua poesia ew contagiante agora nãoooo

Artes da Sofy disse...

Tal e qual como me sinto..muito bonito!

Jennyfer Aguillar disse...

Sabes,quando me disse que seria triste,eu não pensei que seria deste jeito,capitaste a fundo a alma humana e tem dias em que não achamos razão nenhuma,em nada, e esse é o "hoje" que disseste.Achei muito lindo e profundo,os sentimentos verdadeiros de pessoas imperfeitas :D
Parabéns querida
Beijinhos Jenny ♥

Daniel Sopas disse...

Muito bom, Marina
E ainda bem que o hoje já é um ontem
Hoje já pode haver felicidade, sonhos e sorrisos

canto disse...

posso te disser profunda de uma sencibilidade muito aflorada emocionante.. boa sorte

Margot disse...

Muito lindo, doce e sensível...
Gostei demais!

Margot disse...

Muito lindo, sensível e doce...
Gostei demais!!!

Joice Cardoso disse...

ameiii num grau...Parabéns