terça-feira, 10 de setembro de 2013

Não



O Universo disse "não" mas nós não o ouvimos. Estávamos ocupados a olhar um para o outro, em busca de tudo o que ficava dentro dos olhares oscilantes, viajando aos trambolhões pela nossa mente revolvida.
O Universo disse "não" mas nós não o ouvimos. As nossas mãos tocaram-se numa caricia subtil. E os nossos olhos caíram no encaixe perfeito das nossas mãos, como se ali encontrassem a resposta para um quebra-cabeças infinito, chamado vida.
Tínhamos muito mais a perder do que a ganhar. Mas não fizemos caso disso. Quando o Universo disse "não", tínhamos os olhares perdidos, as mãos dadas e um sorriso no rosto.
Ensurdecemos. Ouvíamos apenas os nossos corações descompassados a baterem em uníssono, criando uma melodia pura, que atravessava estrelas e perdia guerras contra o luar.
Quando o Universo disse "não" e nós não o ouvimos, já era tarde para escutar qualquer negação divina. Eu era tua. Tu eras meu. Independentemente do passado, do futuro ou da vontade do Universo que dizia "não".
Tínhamos muito a perder. Mas também tínhamos os olhares colados e as mãos dadas e os corações a baterem em uníssono.
Quando o Universo disse "não", ainda que o tivéssemos ouvido, não teríamos dito "não" um ao outro.
As mãos largam-se. Os olhares perdem-se. O coração pára. O Universo disse "não". Mas eu não acredito. Não acredito que os olhares esqueçam o que viram, que as mãos apaguem o toque, que o coração pare de bater em sincronia.
Não acredito que as mensagens que os nossos sorrisos passaram se lavem com lágrimas nem que sejamos condenados por nos darmos em toques de felicidade.
O Universo disse "não" mas nós não o ouvimos. Estávamos ocupados a ser felizes. Estávamos ocupados  a ouvir tudo o que fica nas entrelinhas dos nossos silêncios.
Quando o Universo se cansou de gritar palavras que eu nunca ouvi, foi o amor que me tocou no ombro: "O Universo disse que não", avisou-me, num meio sorriso que nos interrompeu o olhar.
Eu fitei o amor e encolhi os ombros. "Ele disse que não?", perguntei e o amor anuiu, em silêncio. "Pois eu digo: que se lixe o Universo. Estou ocupada a ser feliz..."

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

2 comentários:

Glória Almeida disse...

os seus textos sempre no momento certo...ou não...
mas sempre, sempre deliciosos :)

LIRIO DO CAMPO disse...

DIFICILMENTE TERMINO DE ME DELICIAR EM TEXTOS TEUS SEM QUE AS LAGRIMAS E CORAÇÃO VIAJE E SE ACOMODE ONDE SEMPRE ACHA CONFORTO...AH SE AS HISTORIAS ENRUSTIDAS EM POEMAS PUDESSEM EXPRESSAR TUDO QUE ELE SIGNIFICA...OBRIGADA POR EXPRESSAR TÃO...