terça-feira, 24 de novembro de 2015

Devolve



Devolve.
Devolve-me o que me tiraste.
Devolve-me a leveza de alma com a qual acordava de manhã e que me fazia abrir a janela a cantar para dizer bom dia ao sol.
Devolve-me o sorriso com o qual caminhava nas ruas, desfilando um pouco de alegria pelo mundo e respondendo aos cumprimentos simpáticos de quem me sorria de volta.
Devolve.
Devolve-me o que me tiraste.
Devolve-me a força que me mantinha de pé e me tornava uma cumpridora de metas. Devolve-me as metas. Essas que cultivei na redoma dos sonhos. Devolve-me os sonhos.
Devolve.
Devolve-me o que me tiraste.
Devolve-me a vontade. Essa que me fazia caminhar sobre as dificuldades e fazer delas degraus. Devolve-me a inocência. A inocência que me fazia ver primeiro o melhor nas pessoas, acreditar nelas, ter fé. Devolve-me a fé.
Devolve.
Devolve-me o que me tiraste.
Devolve-me a paz que me envolvia onde quer que fosse. Devolve-me a liberdade de poder ir a qualquer lugar. Devolve-me os lugares que, em tempos, tive por meus. O amor que tinha para dar a quem, no espelho, me olhava de volta. Devolve-me o meu reflexo. Aquele que tinha sorrisos tatuados.
Devolve.
Devolve-me o que me tiraste.
Devolve-me os segundos, os minutos, as horas, os dias, as semanas, os meses, os anos. Devolve-me o tempo que perdi em ti. Com ele quero escrever um romance que valha a pena.

Marina Ferraz

*Imagem retirada da Internet

Sigam também o meu instagram, aqui.

2 comentários:

MIDTCLA disse...

Ah... sim ler teus textos e passar em sonhos imaginários mas tão reais que o filme passa como Um filmagem verdadeiras... parece tão da gente a maneira expresada

Jennyfer Aguillar disse...

Ah,devoluções,sempre tão duras e muitas vezes necessárias,é nestas horas que percebemos quanta coisa precisamos ter de volta e talvez não consigamos tudo.Mas ter consciência de que algo precisa ser devolvido já é o começo.
Adorei :D
Beijos ^.^