terça-feira, 1 de março de 2016

Requerimento



Venho, por este meio, pedir autorização para ser eu própria.

Declaro que li os termos regulamentados pela sociedade e que conheço, de cor, as alíneas formatadas que definem os padrões desejáveis para uma correcta inserção e integração na amálgama semi-homogénea das gentes que permeiam as ruas. Não assino nem subscrevo. Mas declaro que li e compreendo a normativa, juntamente com todas as suas variantes, interpretações e lacunas. A lacuna é, claro, a palavra vaga (e, acredito eu, vazia) liberdade. É uma liberdade relativa e integrada nos termos. Tão integrada nos termos que exclui facilmente raças, ideologias, religiões, tons de pele, estilos de corpo, estilos de roupa, tipos de beleza, opções sexuais e outros. Apodero-me, aqui, da lacuna e reclamo o meu direito à liberdade de pedir, ainda que sabendo as consequências inerentes ao requerido, para que me permitam viver a vida sendo simplesmente quem sou.

Na ausência de argumentos que se enquadrem nas regras estipuladas, tentarei simplesmente explanar as razões que me fazem desejar, numa primeira instância, e solicitar, numa segunda, a emancipação social.
Primeiramente, acontece que, tendo passado grande parte da minha vida tentando responder de forma equilibrada e respeitadora às regras, compreendi que, independentemente do esforço empenhado na tarefa, esta não parece surtir resultados. Apesar das muitas estratégias desenvolvidas e postas em prática, nunca, em nenhum dos meios que frequentei, obtive das pessoas um olhar que não remetesse para a diferença óbvia entre o que elas eram e o que eu parecia ser. Partindo do estimulo inevitável - eu a ser eu - chegava a resposta, naqueles olhares, com variantes estabelecidas entre o nojo, o ódio, a incompreensão, a comiseração e a semi-aceitação. Os olhares resultavam em atitudes. As atitudes despoletavam a distância. O meu lugar foi construído, portanto, a muitas mãos, todas elas selando, pedra a pedra, a muralha que cercou o meu espaço seguro, no qual, pelas referidas razões, não existe vivalma além de mim.

Em segundo lugar, como percebi ao longo da minha permanência no isolamento voluntário exercido, as normas estipuladas e sob as quais quase todas as pessoas assinam tendem a criar, nos indivíduos, uma visão redutora e complacente, cheia de opiniões-cliché e vazia de espírito crítico. Por exemplo: toda a gente sabe que existe um universo sem fim mas todos vivem como se não houvesse mundo além deles próprios. A maioria das pessoas tem uma religião, a mesma maioria não sabe explicar a própria crença. As pessoas têm necessidades desnecessárias e desprezo por necessidades básicas. Como estas, outras. Na minha solitária prisão anti-social descobri que, na maioria dos temas, tenho mais perguntas do que respostas. As perguntas incomodam as outras pessoas. Roubam-lhes a paz. A liberdade, talvez. As perguntas fazem de mim criminosa nos termos regulamentados.

Por fim, a arte. A arte que me fez monstro. A arte que me fez bicho. A arte que confirmou, aos olhos etéreos da sociedade, que a loucura flamejante dos meus olhos tinha razão de ser. Reclamo o direito de qualquer artista viver a sua liberdade, longe das normas contratuais aplicáveis aos restantes indivíduos de uma sociedade. Reclamo-o porque, no estatuto inferior que ocupam; na camada decadente para a qual são varridos, são os artistas que se erguem para mostrar o que as pessoas não sabem, o que não vêem, o que não ouvem. São eles que carregam a história, navegando em mares de preconceito, levando de porto em porto a ilusão de um mundo melhor.

Não são argumentos que se enquadrem nas normas estipuladas pelo regulamento que molda a sociedade e a torna coesa, habitável, estável e, supostamente, perfeita. Mas são os únicos argumentos possíveis no centro da liberdade idealizada que, infelizmente, não saiu do papel.

Declaro que li e compreendo os termos e as condições inerentes à vida no centro deste mundinho no qual não sei se quero estar. Não assino. Não antes de me roubaram a vontade. E a sanidade. E a alma. E a vida. Em nome da liberdade.

Venho, por este meio, pedir autorização para ser eu própria. Mas declaro que o serei... com ou sem autorização.


Marina Ferraz

*Imagem retirada da Internet


Sigam também o meu instagram, aqui.


2 comentários:

Jennyfer Aguillar disse...

Nesse mundo tão inconstante não há pedido igual que seja aceito,até porque ter coragem de ser quem és leva a uma vastidão de julgamentos e críticas,mas acredito que devemos buscar sim nossa liberdade,não a que é dita pela sociedade,porque é outra,uma idealizada que não existe,mas a liberdade de cultivarmos nossos próprios pensamentos,de sermos quem somos não importa onde nem quando.
Ameii o texto <3
Beijinhos Jenny ^.^

Mariana disse...

Olá,muito bom seu texto,achei de um intensidade sem igual,li uma vez que não somos livres enquanto ainda temos que seguir regras e acho que isso é mais ou menos como o seu texto,precisa-se requerir à sociedade um alvará para ser como é,e por isso é que não se tem liberdade de ser você mesmo.
Gostei bastante,por favor não pare de escrever
Abraços de Tocantins!!