terça-feira, 23 de agosto de 2016

Atrás da bandeira



Estamos assim, mais ou menos, escondidos atrás da bandeira. Da parte vermelha da bandeira, para ser mais exacta. A esperança é tão escassa que já não esconde ninguém.
Estamos escondidos atrás dos homens que morreram no mar para nos fazer mundo. E escondidos atrás do sangue vertido para nos fazer gente. Temos canções sobre a morte. Mas seguimos a vida a fugir dela. Perdemos tanto tempo a fugir dela que, por caminho, não vivemos. E dizemos como é brava a nossa carne mole, escondida atrás das glórias do passado. O que fizemos pela glória? Nada. Nascemos. Não fomos nem marujos a tombar das caravelas, nem soldados a levar balas no peito. Não fomos donzelas a chorar à beira-mar pelos filhos que não retornaram e as filhas que, sem o saber, se faziam viúvas no partir da nau. E eles, que embraveceram as estruturas finas da nação, deixaram no aroma da maresia a ilusão. Tão valentes que se fizeram imortais. Mas nós? Nós estamos escondidos. Atrás da bandeira.
Estamos escondidos atrás da baliza, a ver os outros jogar. Roubamos-lhes o título, quando é bom, porque sentimos que nos representa. Da mesma forma, xingamos os maus resultados como se nos negassem a bravura dos nossos antepassados. Esses que eram fortes e indomáveis. Mas nós? Nós estamos escondidos. Atrás da bandeira.
Nos recantos das vitórias alheias, vamos buscando um pouco do verde que ainda nos pinta o lado esquerdo da bandeira. Coração de esperança, ondeando ao vento. Mas escondemo-nos atrás das glórias do tempo que não retorna. (Não vá o futuro tecê-las e fazer-nos descobrir que, tal como os navios, naufragámos a nossa força ao largo do Cabo das Tormentas). Somos um povo. Somos uma nação. Unidos pelas causas mais insípidas ou pelas mais coerentes. Mas não somos heróis. Não acho que devamos pensar, sequer por um momento, na heroicidade do nosso corpo depositado em frente aos livros de História e aos ecrãs de televisão. Estamos escondidos. Atrás da bandeira.
Estar escondido é mais confortável. Mas ouvi-lo não é. E as vozes que gritam pela força que nos torna os melhores, os maiores, os favoritos são as mesmas que ultrajam o sentir destas palavras. Porque elas incomodam e roubam ilusões. E, sem as ilusões, subitamente somos apenas do nosso tamanho e não do tamanho dos feitos dos outros. E que pequenez essa, que é a nossa, pessoas simples e que nunca fizeram nada para enaltecer as cores da bandeira que nos esconde.
Estamos assim, mais ou menos, escondidos atrás da bandeira. Da parte vermelha da bandeira, para ser mais exacta. A esperança é tão escassa que já não esconde ninguém. Pelo menos a minha já não esconde ninguém. Mas também já não me escondo atrás dela. Não tenho, talvez, a força dos homens que nos marcaram o lugar no universo, nem as ambições dos que nos colocam no centro das atenções do mundo. Mas tenho voz. Tenho opiniões. E, se posso escrever, não tenho, não vou esconder-me atrás da bandeira.


Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.  

Sem comentários: