terça-feira, 21 de março de 2017

A pele



Vestiram-me a padecente pele
Sobre os ossos miúdos
E o coração poente

Na hora do sol-posto
A nudez caiu bem
Sobre os agasalhos da vida

Mas quando o sol nasceu
Havia espinhos e feras
No lugar da carne exposta

Acendi a lareira
E queimei as certezas
Na lenha do tempo

Despi a pele de cordeiro
E fui com a alcateia
Rumo ao amanhã

É rubra a memória das mãos
Que me vestiram a pele
Sobre os ossos miúdos

Mas vestisse-a eu por mais tempo
E o sangue que me tinge as garras
Seria o do meu coração.


Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet



Sigam também o meu instagram, aqui.  

Sem comentários: