terça-feira, 4 de junho de 2013

Porquê


Não é como se alguém me quisesse. Porque é que ninguém me quer? Não tenho olhos azuis nem cabelos louros. Mas sou um menino. Tenho boas notas. Uma vez uma senhora disse-me que tinha um sorriso de super-herói. Não é como se alguém me quisesse. Mas expliquem-me... porque é que ninguém me quer?
A vida não me quis. Começou por aí, por um abandono do mundo. No dia em que nasci, sob o sol inebriante de uma Primavera tardia, a vida não me quis. Nasci, é claro. Nasci chorando a morte da minha mãe. Um choro que duraria anos, até me explicarem que a mãe está no céu. Mas que céu? O céu não me quis. Quando falo com ele não me responde, embora as estrelas me pisquem o olho e a lua se parta como o meu coração.
Talvez a minha mãe me quisesse. Nunca vou saber. A vida não me quis. O mundo não me quis. E, indignados com o meu nascimento, vingaram-se nela. Ela também não tinha cabelos louros. Também não tinha olhos azuis. Mas era bonita. Vejo-a a sorrir na fotografia. Era bonita.
Não é como se alguém me quisesse. O meu pai, esse pai que as histórias dizem que amou a minha mãe, nunca me amou. Lembro-lhe, qual miragem, o rosto embaciado. Memória fugaz, de um desaparecimento eterno. Lembro-o com a dureza do rosto e das mãos, com um copo na mão, a gritar ao telefone. Ou com as paredes, quando já ninguém ligava. Um dia, o rosto foi-se.  A casa ficou vazia. Eu fiquei só.
Achou-me ali, sentado no degrau da casa, uma senhora sem nome. O rosto dela, enrugado. As mãos queimadas do sol. Estendeu-mas, agarrou-me junto ao peito com ternura. Julguei que me quisesse porque me disse que sorrisse porque tinha o sorriso de um super-herói. Mas ela também não me quis. Levou-me para uma casa com outros meninos. Disse-me que eles eram como eu. Que também não tinham mãe nem pai. Mas eu tenho mãe e pai. A mãe está no céu e o pai está algures com um copo na mão a gritar com as paredes.
Não é como se alguém me quisesse. As outras crianças disseram que eu era esquisito. As famílias de acolhimento levaram-nas, uma a uma, entravam e iam, iam indo. Eu fiquei. Ninguém me quis.
Eu sei. Não tenho olhos azuis nem cabelos louros. Mas som bom aluno. Entrei para a escola e a professora dá-me boas notas. Já sei ler mais ou menos e sou bom com as contas. Porque é que ninguém me quer?
Ontem fizemos uma prenda para o pai. Pintámos uma imagem. E eu pintei. Pintei como me lembro. Lembro-me mal. O meu pai é gritos e um copo meio vazio. Não sei bem os traços do seu rosto nem as cores da sua face. Sei-lhe as palavras chutadas, como se tudo fosse vermelho.
Assustaram-se com o vermelho. O rosto vermelho. Os olhos vermelhos. Porque é que se assustaram com a imagem vermelha do meu pai? Foi por isso que me disseram para vir aqui, ao seu gabinete, não foi? Pelo vermelho.
Entenda, não é como se alguém me quisesse. Mas o senhor diz que pode ajudar-me. Diz que posso falar consigo. É assim, não é? Então, diga-me...eu só quero saber... porque é que ninguém me quer?

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

9 comentários:

Anónimo disse...

adorei o texto fiquei impressionada. parabens

Anónimo disse...

congratulations on your text. I translated it to English and it is something wonderful. Congratulations and continue with your good work

PS if english is not very good not pay any attention, I'm not english :)

Tânia disse...

Isto foi de partir coração. É impressionante como conseguiste retratar tão bem os pensamentos de um menino abandonado - fiquei muito sensibilizada. Parabéns, mais uma vez mostras o talento que tens.

MIDTCLA disse...

so poso te disser que e profundoooo beijo no coração

Alice M. disse...

Noossa Marina, estou apaixonada pela sua forma de escrever!
Emocionada...

http://confidencegp.blogspot.com.br/

Jennyfer Aguillar disse...

Marina,que texto emocionante,eu amei cada palavra,cada gesto e sentimento,é como se pudesse senti-lo,aqui dentro de mim.
Parabéns querida,mais um texto simplesmente perfeito.
beijinhos Jenny ♥

Anónimo disse...

Rendida no primeiro paragrafo. Amei. Que nunca se lhe esgotem as palavras.
Abraço
C.S

Anónimo disse...

Nossa! Impressionante. Muito bom. Parabéns
L.P

Sarah Marques disse...

Oi, tudo bom?
Texto muito lindo! Parabéns!
Passando pra te avisar que meu blog, em parceria com a autora FML Pepper e outros 3 blogs, está sorteando um KINDLE!
Vai perder?
Beijos
Endless Poem