quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Neg(r)o



Visto-me de negro para negar a morte no meu reino de caos. E sigo os passos da sombra para honrar o sol do meu mundo de ocaso. Se me fazem rainha do tempo, destruo os ponteiros. E a eternidade começa assim, no definhar da vida que me fecha os olhos.

Sejam bem-vindos. É assim que cumprimento os espíritos dos meus antepassados. Sentam-se comigo à mesa e comem da comida farta que lhes oferto. Bebem do mesmo vinho que eu. E fingimos todos que não bebemos o sangue do infortúnio que nos colocou um véu de invisibilidade.

Rimos de piadas óbvias e mórbidas, que alguém diz. E esquecemos, por dois segundos, que distância entre mim e eles é a do corpo que eu tenho e eles já não. Mas relembramos que somos pó. Mais ou menos compacto. Sobre a terra ou sob ela. Alimentando raízes e encontrando espaços de sonho.

Conto-lhes que os meus dias são caminho para o sono eterno. E eles contam-me que estão à minha espera, tentando tirar-me agruras do caminho. Conto-lhes que tento dignificar os seus esforços de pão e labor, com amplitudes mornas de esforço que os não suplantam. E agradeço. Porque, não fossem eles, e eu não estaria aqui, sentada à mesa, a falar com as paredes e o prato cheio que permanece em frente à cadeira onde se senta a memória de alguém.

O que sobra da memória humana responde-me com um traço saudoso de alívio quente por entre a noite fria. E imagino rostos que me sorriem. E vozes que me prometem proteção e alento para os dias mais árduos.

Mas nem todos os que se sentam à mesa comigo esta noite têm rosto de gente. Alguns têm bigodes e patinhas. Mau feitio, de pelo mais curto ou mais longo, com ou menos trejeitos de donzela felina. Os seus nomes enunciam azar ou realeza. E saúdo esses nomes com guloseimas. E uma festinha imaginária nas cabeças.

Os dias que vivo, vivo-os porque alguém os viveu antes de mim. E, neste dia que é de passagem, desvelo aos poucos a ideia dessa eternidade de separação e sento-me com eles à mesa.

Sinto-os na minha pele porque os trago na minha pele. E no meu sangue. E na minha memória. Atirados para as minhas veias por cada batimento cardíaco. Sinto o sabor do mel nas palavras que sei que ouvem. E um travo de whisky envelhecido. E um toque de mousse de chocolate. E um ronronar distante na ideia da saqueta azul.

São os que me fizeram quem sou. E é por eles que me visto de negro e nego a morte. Porque não morre jamais o que permanece vivo na memória.

Bebo um travo agridoce de saudade nesta noite. Saúdo os meus ancestrais e sento-me com eles à mesa.

Há afeição servida nos pratos de todos nós. E vinho tinto nos cálices. E mãos dadas na invisibilidade dos corpos. Sinto-os em mim. E sou deles. Mais uma vez.

Visto-me de negro. Nego a morte. Faço um brinde. A todos eles. A quem foi para que eu viesse a ser e a quem me fez ser o que hoje sou. Estamos todos vivos esta noite. Estaremos todos vivos enquanto houver mesa posta a preceito. E uma vela acesa. E uma memória em chama. E um copo de vinho. E amor.


Se a donzela da primavera pode ser rainha do submundo por seis bagos de romã, eu posso ser anfitriã de quem amo por uma noite, trajando negro e negando a morte.






Sigam também o meu instagram, aqui.


Fotografia de Analua Zoé 




Sem comentários:

Publicar um comentário