terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Anciã



Era o tempo das fogueiras. A senhora ergueu-se. De braços abertos. Desamparada. E, ao erguer-se, deixou que os braços se erguessem também, num abraço ao céu. A morte era o desapego das coisas. Não temia a morte. Não temia o fechar dos olhos pela eternidade. Mas a vida? Da vida ela ainda tinha medo. Não era fácil viver assim, calando a convicção cega em coisas que os outros não viam.
A idade pesava. Tinha vivido demasiados Solstícios. Sobrevivido às piores tempestades e às piores secas. As rugas tinham marcado o curso dos rios no seu rosto. E as mãos, manchadas do sol, tinham segurado demasiados recém nascidos e fechado os olhos a demasiados defuntos.
Não tinha medo da morte. A morte era só mais um ritual antes do Verão eterno. Mas a vida? A vida já não era dos Deuses. A vida era dos homens. E os homens tinham sido corrompidos pela ideia de tudo o que não existia. Os homens tinham rasgado o manto verde da sua mãe e violado a Natureza com os seus monstros de pedra. E tinham construído altares à cegueira do rebanho. Tinham-se habituado a usar do divino a seu bel-prazer. E, agora, os homens vinham para a levarem para a fogueira.
Servira o seu propósito. "Feiticeira". Era isso que lhe chamavam agora. "Feiticeira". Era esse o nome gritado pela voz de meninas que trouxera ao mundo, de mulheres de quem cuidara ao longo de partos, de homens que curara com ervas que mais ninguém conhecia na aldeia. "Feiticeira". E era com temor que o diziam. Como se uma anciã pudesse ser perigosa para eles. Como se ela tivesse a força ou a vontade de ferir alguém.
Mas tinham-lhe perguntado. "A quem serves?" E ela não podia negar a divindade. Então, erguera a voz. "Sirvo a Mãe". E eles tinham-se rido. Tinham-se rido das suas palavras. Não entendiam o vento nem o mar. Não entendiam as muitas vozes que cruzavam a Natureza e se fundiam na perfeição do mundo. "A quem serves, mulher?", tinham perguntado de novo. E ela perguntara-se se eles eram surdos. "A Mãe", respondeu. E de novo o riso entrecortado pelos gritos. "Feiticeira".
Queriam o seu sangue e nada do que dissesse a salvaria. Mas mesmo que tivesse salvação, não queria viver negando a quem tanto lhe dera no Mundo.
Crescera só. Vivera só. Pouco conhecera além da solidão dos dias. Mas, de manhã, todas as manhãs, ela saia pelos prados e tomava o caminho da floresta, para colher as plantas da sua lavoura. Nesses tempos era por outro nome que a conheciam e com outro respeito que a tratavam. Curandeira. Simples serva da Mãe Natureza. Serva dos Deuses que a protegiam e da vontade divina dos elementos da Terra. E, por entre a solidão, a floresta falava. As árvores davam-lhe a carícia de um beijo pela manhã e as flores dançavam com ela. Crescera só. Vivera só. Jamais estivera só. Nem mesmo agora, atacada, à espera da morte estava só. Havia o vento e o aroma infinito a eucalipto e pinho.
Não devia nada aos seus compatriotas. Dera mais do que alguma vez pedira. Mas devia a sua dignidade, a sua essência à floresta e não a negaria jamais.
"Última hipótese, velha, a quem serves?". O que queriam eles ouvir? Que ela servia um Deus ou um Demónio? Ela só servia quem a servia. Só se dava a quem lhe dava. "Sirvo a Mãe", repetiu. E esperaram que ela permanecesse vergada, só. Mas a senhora ergueu-se. De braços abertos. Desamparada. E, ao erguer-se, deixou que os braços se erguessem também, num abraço ao céu.
Esse abraço, dado de irmã para irmã com a Natureza das coisas, roubou-lhe o último suspiro de uma vida. E os seus executores fungaram, por não terem o deleite de lhe roubarem a vida a fogo e ferro.
Ela caiu a sorrir. "Feiticeira", gritavam as vozes, sedentas de sangue. E a sua alma ergueu-se  e lançou um último olhar àquela plateia degradante. De mãos dadas com a sua Mãe, o espírito encantado de uma Natureza viva, ela entendeu. Eles estavam sós. Todos eles, juntos ali, tão sós. Mas ela não. Ela estava bem. Não temia a morte. Temia pela vida daqueles que morriam por dentro antes de ser tempo de voar até aos confins da eternidade.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

7 comentários:

Tânia disse...

Lindo, adorei! :)

Bjo <3

Fatima Vasconcelos disse...

Comovente e ... eu sinto, verdadeiro. Engraçado como essas histórias da inquisição sempre me deixam com lágrimas nos olhos...

Tânia disse...

Confesso que estava um bocadinho apreensiva com a alteração do tipo de texto, mas gostei muito desta pequena história, e, posso estar enganada, mas notei muita influência de livros do género fantástico. ;) Foi bom ter outro vislumbre das tuas capacidades como escritora e de ver como uma história/romance poderiam ser escritos por ti. ^^

Anónimo disse...

Como sempre cada texto mais perfeito que o outro,não cabem palavras para definir as qualidades deste texto,sem contar a história em si que é maravilhosa.Parabéns querida Ma,sabes o quanto adoro vossos textos e quanto tempo mais gostaria de lê-los ♥
Beijos Jenny

Jessica A. disse...

Gostei muito do seu texto,é simplesmente magnifico,gostei muito do final e infelizmente é verdade, as pessoas morrem por dentro.

Selma Nascimento disse...

Minha querida, passando para retribuir a visita ao meu cantinho http://3fasesdalua.blogspot.com

Gostei muito do seu texto, fico emocionada com pessoas que realmente tem o dom de escrever.

Saibas que vc tem este dom e são poucas pessoas que consegue escrever sobre este tema.

Parabens voltarei muitas vzs e gostaria realmente de publicar um dos seus textos no meu blog.

Escolha um e me envie por e-mail

Gostaria tb que vc toda vez que fosse me visitar deixasse o seu comentário.

bjs

Selma

Isa Lisboa disse...

Parabéns pelo texto, nem sempre é fácil ler sobre a intolerância... Mas é encorajador ler sobre a grandeza de espírito, como a que esta curandeira tinha...!

Beijo