terça-feira, 6 de maio de 2014

Todos os dias


Todos os dias.
Todos os dias de manhã eu acordo. Preguiçosa, sem vontade de me levantar, sem qualquer sombra de acção em mim. Todos os dias. O despertador toca, insistente, ao meu ouvido e eu arrasto a mão no seu sentido, com o desejo de o silenciar para sempre. Todos os dias. Como se não houvesse possibilidades mas apenas rotina, todos os dias dirijo pensamentos escabrosos àquele som agudo e envio mentalmente a sua mensagem para o infinito num tom e linguagem inapropriados, apenas admissíveis pela sua não reprodução oral.
Todos os dias.
Todos os dias de manhã começo a acordar, lentamente, feito criança, da noite curta e mal dormida, recheada de pesadelos e reviravoltas. E todos os dias, qual menina teimosa e mimada, agarro-me à almofada, como que recusando a dádiva do dia que chega. Todos os dias. O cansaço toma conta de mim, pela madrugada e a moleza diz baixinho, dentro de mim, "só mais cinco minutos".
Todos os dias.
Todos os dias contrario o desejo de me quedar novamente no sono e abro um olho indolente, na direcção da cama que me abriga. E, por vezes, o olhar perde a indolência na consciência de que dormes a meu lado. Dormes ao meu lado e está na hora. Desperto, nesse olhar sobre ti. Esse olhar que se perde na perfeição de uma vida que começa, não no toque agressivo do despertador mas no teu semblante adormecido. E sorrio, pela manhã que começa nesta vida perfeita.
Todos os dias.
Todos os dias me levanto do calor dos lençóis e dos teus braços, na força de saber que me levanto para ser tua. Todos os dias me levanto do sono para viver o sonho que é ter-te a meu lado. Todos os dias. A bênção corre pelo meu corpo cansado. Lava o cansaço de mim. Leva a vontade de permanecer adormecida para o dia que nasce lá fora.
Todos os dias.
Todos os dias me levanto, vou fazer café e to levo à cama. E todos os dias o faço, lançando um olhar de soslaio aos Deuses e agradecendo a felicidade que é o toque do despertador a acordar-me para uma vida ao teu lado. Sento-me junto a ti e beijo-te nos lábios. Sinto a paz e a alegria onde antes, tão teimosamente, havia apenas o cansaço, o sono, o desejo de retornar à inconsciência. Sinto o que não é dizível, explicável, enumerável ou seja lá o que for. Sinto. Sinto para dentro porque não sei pôr cá fora essa forma de sentir.
Todos os dias.
Todos os dias o sol acorda para o mundo e eu acordo para ti. E todos os dias olho com incompreensão para os primeiros segundos do dia, que desperdicei a praguejar com o relógio que, afinal, me dizia apenas que era hora para me apaixonar outra vez. Porque é isso que eu faço. Apaixono-me. Apaixono-me por ti. Todos os dias.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

3 comentários:

MIDTCLA disse...

Me encanta em viver em segundos em lindo como sempre envolvo-me...parabens

Jessica A. disse...

É muito lindo, um texto maravilhoso :) ♥♥

claudia disse...

como não mergulhar neste aquario de fantasias amo...