terça-feira, 4 de novembro de 2014

Esperar


Eu não posso esperar que o mundo gire ao contrário nem que as estrelas cadentes se transformem na realização dos meus desejos insensatos. Não posso desejar que o tempo pare, que ele volte atrás e me devolva o que de mim se perdeu pelo caminho. Não posso esperar que mudes: que mudes de ideias, que abras o coração, que me recebas na imensidão de um abraço. Não posso esperar que o meu coração pare de vez ou que aprenda a bater apenas quando te sentir por perto. Mas, ainda assim, posso esperar por ti a vida inteira.
Posso esperar. É isso mesmo. Não me entendas mal.  Posso esperar, mesmo sabendo que não voltas. Mesmo sabendo que vives sem sequer saber que eu espero. Posso esperar. A espera depende só de mim.
Voltes ou não. Acredita em mim. Posso esperar. Posso parar, na insensatez, arrebatada pela loucura. Posso erguer-me, permanecer de pé, ganhar raízes no chão poeirento desta memória de ti que vivo sozinha. Posso esperar. E,  mesmo que não o saibas, posso orar em silêncio para que fiques bem, quando a vida te destroçar. Posso desejar, num cruzar de dedos, que os nossos caminhos se cruzem, ainda que o façam apenas ocasionalmente, num "olá" de corrida, dito a medo.
Eu não posso esperar que o tempo volte atrás. Não posso esperar que ele me devolva o que perdemos nem que me espere, mais à frente, um futuro mais brando do que o presente. Não posso desejar que o mar retorne à nascente e tudo recomece, aos poucos, para eu poder acertar aonde errei. Não posso esperar que me estendam as promessas que foram quebradas nem que as reparem com poções e feitiços de encantar. Mas posso esperar por ti a vida inteira.
Posso esperar. Hão de dizer que é errado. Esperar, para alguns, pouco é além de uma escolha consciente da morte. Mas, como eu posso esperar, não importa o que digam. Não irão abalar-me, não irão mover-me. Hei-de esperar por ti a vida inteira, ainda que a vida não acabe no amanhecer tardio de um dia onde não estás.
Entende. Eu não posso esperar nada do Mundo. Não posso esperar nada da vida. Não posso esperar nada do passado ou do presente ou do futuro. Tudo o que eu posso fazer é esperar por ti. Esperar a vida inteira por mais um pedaço de céu. Esperar a vida inteira para poder sorrir outra vez.
Que vida doce será essa que viverei, esperando por ti. Pois esperar por ti é esperar pelo amor, viver de amor, ser amor. Eu não posso esperar nada da vida mas posso esperar por ti a vida inteira. E a vida terá o teu nome, nos (re)cantos intocáveis do meu pensamento, onde o amor se ergue mais forte do que o tempo que passa sem estares aqui.

Marina Ferraz
*Imagem retirada da Internet

5 comentários:

Gloria Almeida disse...

Maravilhoso e certeiro no meu sentir , neste momento !!!
Parabéns pelos seus textos. Obrigada pela oportunidade de poder ler

themeg1111 disse...

adorei..palavras cativantes

Izabela Souza disse...

E mais uma vez paro, leio e ao ler tais palavras soam melodias em pura harmonia na minha mente. E meus pensamentos voam para um passado tão distante e tão presente em mim.
Obrigado por me proporcionar tais sensações.

Jennyfer Aguillar disse...

Adorei,o texto é perfeito :)
As palavras me encantam
"Posso desejar, num cruzar de dedos, que os nossos caminhos se cruzem, ainda que o façam apenas ocasionalmente, num "olá" de corrida, dito a medo"
Parabéns querida
Beijinhos Jenny ♥ ♥

susana silva disse...

Adorei o texto. Num altura da vida eu tambem esperei por quem nao sabia que eu estava a esperar.... mas a vida avança e hoje é apenas uma bonita lembrança.