terça-feira, 31 de março de 2015

Compromisso


Comprometo-me a ficar sempre ao teu lado. Foi esta a frase que disse. A frase que ouviste, dentro do teu vestido branco, enquanto me sorrias, com lágrimas nos olhos. Não vertias as lágrimas. Ouvias. Ouvias os votos que eu dizia, como se o destino estivesse nas minhas mãos. Comprometo-me a ficar para sempre ao teu lado. Comprometo-me com o compromisso que hoje faço e, dele, faço o degrau que escolho subir, neste caminho leve e ponderado que faço em direcção a ti, no desejo de vir a merecer-te.
Não sei se alguém me ouviu dizer estas palavras ou se as disse em segredo. Mas disse-as. Ainda que as tenha dito para mim. Só para mim. E tu, no teu vestido branco ouviste. Sei que ouviste. Sorrias. Porque sorririas tão abertamente se não ouvisses com clareza essas palavras que eu dizia ou pensava ou pensava querer pensar?
Mas as palavras são só palavras. Os pensamentos são só pensamentos. A memória é uma traição. O teu vestido não era branco. Não sorrias. E eu não te amava. Tu não me amavas. Ninguém amava ninguém.
Comprometo-me a dizer a verdade. Uma verdade sem altar, da qual faço degrau que escolho subir na direcção dos infernos. A verdade é crua. Incomoda. A verdade queima, fere, deixa cicatrizes. Toda a gente diz que sim. Mas ninguém quer a verdade.
Sim. Inventei a história. A história do compromisso que não fiz com a pessoa que não conheci e que jamais vi dentro de um vestido - branco ou não. Inventei-a. Contei-a muitas vezes. Mas nunca menti. Uma ilusão não é o mesmo que uma mentira. E, para mim, o compromisso foi feito e foi ouvido e foi cumprido. Por mim, teria sido verdade. Mas o amor? O amor é caprichoso. Nunca chegou. Nunca me fez olhar uma mulher e sentir que queria fazer, com ela, o compromisso. Comprometi-me com a ilusão. Dela, fiz estrada. E ela deu-me as alegrias negadas pela vida.
Mas as palavras são só palavras. Os pensamentos são só pensamentos. A memória é uma traição. E a alegria ofertada pelas ilusões quebra e parte nos encontros constantes com uma realidade que dói. O compromisso nunca feito desfaz-se. Vira poeira. Segue com os ventos dos infernos aos quais chamamos ruas e momentos e pessoas. E não são coisa nenhuma, além do desvanecer de uma esperança que nunca se devia ter tido.
Comprometo-me com o compromisso. Era isso que eu queria ter dito à pessoa que nunca surgiu. O amor, esse que ouvi dizer que se dá e prostitui, excluiu-me. Nunca amei ninguém. Nunca ninguém me amou. Se alguém me tivesse amado, teria talvez compreendido a necessidade insensata que guardava desse amor. Se alguém me tivesse amado, teria conhecido a vastidão do desejo que permeia o sentido de ser maior do que eu. Mas nunca ninguém me amou... e eu nunca amei ninguém. Fui um homem sem amor, apaixonado pela ideia do compromisso eterno entre almas-irmãs. Busquei conforto nas estrelas. Tinham-me dito que elas concretizavam os desejos mais profundos do coração humano. Mas também era mentira. Porque é que as pessoas mentem assim?
As palavras são só palavras. Os pensamentos são só pensamentos. A memória é uma traição. E a vida que passa não é mais do que um caminho para a morte. Podia dizer que não tenho medo da morte. Mas não quero mentir. Assusta-me a ideia de fechar os olhos para sempre. Não tenho medo de morrer. Mas tenho medo de morrer sem ter amado. Sem ter sido amado. Sem conhecer o amor. E, enquanto alguns andam pelas ruas, a atirar sentimentos ao lixo, a negar ao coração os sentidos, a recusarem o compromisso, eu fiquei agarrado às paredes vazias de um mundo onde nunca realizei o sonho de me dar completamente a alguém.
Comprometo-me. Comprometo-me com a loucura. Escolho viver na ilusão. E lá estás tu. Tu, no teu vestido branco. Ouves, não ouves? Comprometo-me a ficar sempre ao teu lado.    

Marina Ferraz

*Imagem retirada da Internet

3 comentários:

Jennyfer Aguillar disse...

Li o texto e senti um arrepio, é incrível como as palavras mexem comigo.Acho que a verdade é uma faca que fere a quem se aponta,porém é necessária,os votos que fazemos nem sempre são verdadeiros,perdemos pessoas,há falha em compromissos.
Belo texto querida,parabéns :)
Beijinhos Jenny ^.^

macy disse...

Um dos melhores dos imensos textos teus que já li... excelene....
Teresa Carvalho

Jessica Aguillar disse...

Texto lindo, a parte de que mais gostei é " as palavras são só palavras. Os pensamentos são só pensamentos.A memória é uma traição."
Escrevendo maravilhosamente bem como sempre. :)