quinta-feira, 1 de março de 2018

Abertura fácil



Sobre a minha cama existe um tecto. E, em cima dele, mora alguém que lhe chama chão. Amontoados nas prateleiras mais ou menos organizadas do mundo. Falando sobre andar lado a lado, à medida que nos empilham, até estarmos todos uns em cima dos outros e promovendo dietas saudáveis para verem se ocupamos menos espaço. É assim que vamos. Porque é mais fácil. Dizem.
O chão da vizinha, que é o meu teto, não prima pela espessura concreta do isolamento. E, por isso, sei quando o bebé chora e a forma como o choro do bebé se abafa com o ligar do aspirador ou de um qualquer canal de televisão no volume máximo; atirando palavras que misturam o cansaço do dia e a irritação noturna. Iniciam-se discussões que duram até ao bater da porta. Não sou eu, és tu que és difícil. Ele acha-se fácil. E diz isso.
Fugindo dos sons, os passos caminham pelo espaço limítrofe das calhas da porta, fechando com cautela a dita, para que, batendo, não acorde o bebé que se embalou nos gritos maternos. E encontra-se o toque, mais ou menos feito de gelo, de um vento que, vindo de Norte, traz consigo Invernos, seja em que estação for. E respira-se geada amanhecida. Continuadamente empoada, pelos traços nocivos de um fumo que desaparece. Perfume de asfalto alcatroado e de borracha queimada. E um toque putrefacto proveniente dos contentores que medeiam as prateleiras de gente da cidade. E o carro que virá, pela madrugada, com o som meio soprado e contínuo que lhe é caraterístico. A vida torna-se, assim, mais fácil. Digo eu.
Não há estrelas cadentes no céu. Mas fico à espera de ver passar lixo galático e universal, formando um risco ilusório no céu para pedir desejos. Também dos desejos o dizem. Que são fáceis. E são. Na sua utópica fantasia, onde tantos passados se enterraram, os desejos têm a facilidade da não concretização agarrada aos seus tornozelos oníricos. E é fácil. Ou é o que dizem.
No sol nascente, existe o cinzento colorido a fogo que traz uma esperança renovada. Para quem dormiu. Eu não. Mas, para quem dormiu. Para quem tem a sorte de tetos mais espessos ou chãos menos permeáveis. Para esses, ele é a renovação da esperança, e tem possibilidades à espera, na hora da tigela de cereais com leite. Essa que se corta, com faca ou tesoura, no local onde permanece a indicação de abertura fácil. É o que diz. Fácil. Mas já alguém abriu um pacote de leite pela abertura fácil, sem recorrer a objetos cortantes e três graus de impaciência?
Entro. Na minha prateleira. Para comer os meus cereais saudáveis. E cumprir os desígnios. Os de ocupar menos espaço no mundo. Enfezando-me e empilhando-me junto aos outros seres enfezados e empilhados. Dizem que é difícil escrever. Eu não concordo. Acho que é difícil calar os pensamentos. Esses que nascem, aos poucos, talvez entranhados de palavras ocas e cheiros nauseabundos. Dizem que é difícil pensar. Não é. É fácil. Como a abertura pré-estabelecida de um qualquer pacote de leite.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet


Sigam também o meu instagram, aqui. 

1 comentário:

la casetta delle meraviglie disse...

hello, very interesting blog :)
I'm a new follower, can you follow mine? follow 4 follow?
https://amoriemeraviglie.blogspot.it/