terça-feira, 27 de março de 2018

Não, não e não



Inesperada. Chega. Uma onda de tudo. Rompendo as entranhas. Rasgando por dentro a carne e a alma. Fazendo azias sucessivas pelo sistema digestivo. E pela espinha. Queimando. Até chegar ao nariz. Como um indício. De choro.
Olhos fixos no anteontem. E fios de cabelo a prenderem-me, feito âncora, à realidade. Ferrando as unhas nas mãos. Frias. Lívidas. Não, não e não. Da inércia ao pulo. Correndo. Até chegar. E olhar. Nos meus olhos. Bem dentro dos meus olhos. Em frente ao reflexo. Que ameaça sucumbir. Não, não e não.
A menina desobediente do espelho encolhe os ombros. E eu olho para ela. Franzo o sobrolho. Deixo que desfeie a testa enrugada das expressões. Repito a palavra. Não. E ela não faz muito caso de mim. Mas também não deixa que o picante desassossegado das emoções seja mais forte do que as minhas ordens.
A onda mantém-se. Em banho-maria. E eu olho para ela. E ela olha para mim. E fazemos um ar cínico e despojado de regras uma à outra. Podíamos matar-nos ali mesmo. Sem compaixão. Sem remorso. Sem que ficassem penas a ondear em nosso redor. Em vez disso, olhamos uma para a outra. E fingimos que não vamos chorar. Dizemos não.
O ardor chega ao peito. Vibra na ponta arrepiada do nariz. E quer fazer-se dor. Tolhe-nos os sentidos desalentados e descontentes. Faz com que brilhem pequenos sóis de chuva no canto dos olhos amendoados. Não, não e não.
Ela resvala. Fraca. E os olhos são água. Mas a água não verte. Eu levanto o indicador, espeto-lho mesmo em frente ao rosto. Tu nem te atrevas! E ela, que sou eu, tem medo de mim. E saber que tem medo de mim também lhe dá vontade de chorar. A tristeza é grande. E a maior é essa.
Sufoco. Não, não e não. Mas engulo as lágrimas. O nariz arde. O peito arde. Tudo arde. E tenho frio. Forço um sorriso. E ela devolve-o.
- Não o sentes, pois não?
Ela abana a cabeça.
- Eu também não.




*Imagem retirada da Internet
Fotógrafo: Paul Apal'kin


Sigam também o meu instagram, aqui. 

1 comentário:

Gil António disse...

.
Olá. Visitando, vendo, lendo, admirando, e gostando muito das suas publicações
.
* Amor: a Incompreensão dos sentimentos *
.
Votos de uma Páscoa muito feliz,
Repleta de amêndoas feitas amor
.